Correio Passional #59 + Sorteio de Marcadores


Olá Amigos Passionais! Gostariam de conferir o que recebemos nas últimas semanas? Chegaram livros das editoras Arqueiro, Pensamento, Jangada e Harlequin, além de uma troca realizada no Skoob e uma comprinha. No final dessa postagem faremos um Sorteio de Marcadores, participem!

Editora Arqueiro







Editoras Pensamento e Jangada






Editora Harlequin






Compra (de banca)



Série Os O'Hurley - Nora Roberts


Troca no Skoob





Sorteio de Marcadores



Regras para participação:

*Seguir o Arquivo Passional no GFC;

*Divulgar o sorteio no Facebook (compartilhando aqui) ou Twitter (dando RT aqui);

*Comentar nessa postagem sobre os livros mostrados, deixando ao final do comentário um e-mail para contato e o link da divulgação. Comentários que contenham apenas expressões como "Participando" ou similar não participarão do sorteio.

*Válido somente um comentário por participante.
Os comentários podem ser realizados entre os dias 27/06/16 e 30/06/16. Cada comentário receberá uma numeração e o sorteio será realizado via Random.org no dia 03/07/16. O vencedor será avisado através do e-mail deixado nos comentários e terá 72 horas para retornar o contato, fornecendo um endereço de entrega no Brasil. O prêmio será enviado pelo blog em até 45 dias e informaremos o código de rastreamento dos Correios ao vencedor. Não nos responsabilizamos por danos ou extravios por parte dos Correios. Esta atividade é de caráter exclusivamente cultural e a participação é voluntária e gratuita. Ao se inscrever, o participante declara concordar com as regras descritas nessa postagem.


Curtiram? Comentem! Beijos...

Vitrine Grupo Companhia das Letras * Junho

Olá Amigos Passionais!!!
Confiram os lançamentos de junho do Grupo Companhia das Letras:

Gigantes adormecidos, de Sylvain Neuvel
Gigantes adormecidos, de Sylvain Neuvel - Uma história viciante sobre um poder capaz de engolir todos nós. - Rose passeia de bicicleta pelo bosque perto de casa quando, de repente, é engolida por uma cratera no chão. A cena intriga os bombeiros que chegam ao local para resgatá-la: uma menina de onze anos caída na palma de uma gigantesca mão de ferro.
Dezessete anos depois, Rose é ph.D em física e a nova responsável por estudar o artefato que encontrou ainda criança. O objeto permanece um mistério. A datação por carbono-14 desafia todas as convenções da ciência e da antropologia, e qualquer teoria razoável é rapidamente descartada. Quando outras partes do enorme corpo começam a surgir em diversos lugares do mundo, a dra. Rose Franklin reúne uma equipe para recuperá-las e montar o que parece ser um robô alienígena gigante quase tão antigo quanto a raça humana. Mas ele se transformará em um instrumento para promover a paz ou causar destruição em massa? Parte ficção científica, parte thriller, Gigantes adormecidos é uma história viciante da disputa pelo controle de um poder capaz de engolir todos nós. SUMA DE LETRAS

A guerra dos mundos, de H.G. Wells
A guerra dos mundos, de H.G. Wells - Edição especial com ilustrações, tradução revisada e extras. - Eles vieram do espaço. Eles vieram de Marte. Com tripés biomecânicos gigantes, querem conquistar a Terra e manter os humanos como escravos. Nenhuma tecnologia terrestre parece ser capaz de conter a expansão do terror pelo planeta. É o começo da guerra mais importante da história. Como a humanidade poderá resistir à investida de um potencial bélico tão superior? Publicado pela primeira vez em 1898, A guerra dos mundos aterrorizou e divertiu muitas gerações de leitores. Esta edição especial contém as ilustrações originais criadas em 1906 por Henrique Alvim Corrêa, brasileiro radicado na Bélgica. Conta também com um prefácio escrito por Braulio Tavares, uma introdução de Brian Aldiss, membro da H. G. Wells Society, e uma entrevista com H. G. Wells e o famoso cineasta Orson Welles — responsável pelo sucesso radiofônico de A guerra dos mundos em 1938 —, que fazem desta a edição definitiva para fãs de Wells. SUMA DE LETRAS

O código dos bucaneiros (Quase Honrosa Liga de Piratas, vol. 3), de Caroline Carlson
O código dos bucaneiros (Quase Honrosa Liga de Piratas, vol. 3), de Caroline Carlson - No último volume da série, Caroline Carlson traz um desfecho fantástico, repleto de ação e absurdamente divertido, como toda aventura em alto-mar deve ser. Depois de descobrir que o líder da Quase Honrosa Liga de Piratas, o capitão Dentenegro, estava envolvido com um grupo de criminosos que quer dominar o reino, Hilary Westfield decide pegar seu sabre, seguir até a Praça da Pólvora e desafiar o capitão e seus comparsas perversos a uma batalha em alto-mar. Se vencer, Hilary se tornará a nova presidente da Liga. Se perder, ela vai perecer no mar para sempre, ou, na melhor das hipóteses, será exilada no Abrigo Pestilento para Piratas Mal-Humorados. O problema é que a batalha nem vai começar se Hilary não conseguir reunir duzentos seguidores para lutar ao seu lado. Assim, a jovem pirata parte numa missão de recrutamento que pode ou não envolver piratas temíveis, damas delicadas mais temíveis ainda… e galinhas. EDITORA SEGUINTE


Lua de Vinil, de Oscar Pilagallo
Lua de Vinil, de Oscar Pilagallo - Em seu romance de estreia, Oscar Pilagallo faz um retrato vívido da São Paulo dos anos 1970, mas este é apenas o pano de fundo para uma história sobre o que significa amadurecer. Em 1973, a ditadura militar comandava o Brasil. Pink Floyd lançava o aguardado disco The Dark Side of the Moon. E Giba passava os dias jogando futebol de botão com os amigos do prédio, suspirando por Leila, sua vizinha irreverente e descolada. Ele tentava ignorar o estado grave de seu pai, internado no hospital, e não sabia que a violência do governo estava muito mais perto da sua casa na Vila Mariana do que ele imaginava. Até que, num dia tranquilo de março, ele acaba causando um acidente e se vê obrigado a lidar com um dilema moral que o fará abandonar a inocência dos dezesseis anos para sempre. EDITORA SEGUINTE

Thomas e sua inesperada vida após a morte, de Emma Trevayne
Thomas e sua inesperada vida após a morte, de Emma Trevayne - Thomas tem apenas doze anos, mas vai viver aventuras de outro mundo! - Roubar túmulos é um negócio arriscado. É, na verdade, um péssimo negócio. Para Thomas Marsden, a partir de uma noite de primavera em Londres (véspera do seu aniversário de doze anos), esse passa a ser um negócio também assustador. Isso porque, deitado em uma cova recente, ele encontra um corpo idêntico ao seu. Esse é apenas o primeiro sinal de que alguma coisa esquisita está acontecendo. Desesperado para conhecer a sua verdadeira história e descobrir de onde vem, Thomas será apresentado à magia e ao ritual, às fadas e aos espiritualistas, e vai se dar conta de que, para ele, a morte está muito mais próxima da vida — e é bem menos assustadora — do que imaginava. EDITORA SEGUINTE

Quadrinhos dos anos 10, de André Dahmer
Quadrinhos dos anos 10, de André Dahmer - Difícil definir os anos 1910. Na esteira das revoluções tecnológicas da virada do século, o ruído ampliou-se e a dispersão tomou conta. Todavia, a torrente de informações e opiniões não assusta André Dahmer. Na verdade, é desse caldo que ele tira algumas de suas melhores histórias. Quadrinhos dos anos 10 tem uma receita simples: três ou quatro quadros em sequência, contendo a mais dolorosa e mordaz crítica à vida moderna. O humor dessas páginas nasce da mesma angústia que sentimos diante das complicações contemporâneas que o autor tenta destrinchar. Mas as tiras não são pesadas e duras: pelo contrário, são tão engraçadas quanto os absurdos do dia a dia. Um riso meio doído, mas um riso mesmo assim. QUADRINHOS NA CIA.

Pureza, de Jonathan Franzen
Pureza, de Jonathan Franzen - A jovem Pip Tyler não sabe quem é. Ela sabe que seu nome verdadeiro é Purity, que está atolada em dívidas, que está dividindo um apartamento com anarquistas e que a sua relação com a mãe vai de mal a pior. Coisas que ela não sabe: quem é seu pai, por que a mãe a força a uma vida reclusa, por que tem um nome inventado e como ela vai fazer para levar uma vida normal. Um breve encontro com um ativista alemão leva Pip à América do Sul para um estágio numa organização que contrabandeia segredos do mundo inteiro - inclusive sobre sua misteriosa origem. Pureza é uma história sobre idealismo juvenil, lealdade e assassinato. O mais ousado e profundo trabalho de um dos grandes romancistas de nosso tempo. COMPANHIA DAS LETRAS

O dono do morro, de Misha Glenny
O dono do morro, de Misha Glenny - A história do líder do tráfico de drogas da Rocinha contada a partir de um intenso trabalho jornalístico. - O dono do morro é a história impressionante de um homem comum forçado a tomar uma decisão que transformaria sua vida. Como Antonio Francisco Bonfim Lopes, um jovem pai trabalhador, se transformou em Nem, o líder do tráfico de drogas na Rocinha? A partir de uma série de entrevistas na prisão de segurança máxima onde o criminoso cumpre sentença, Misha Glenny narra a ascensão e a queda do traficante, assim como a tragédia de uma cidade. Da inundação do Rio de Janeiro pela cocaína nos anos 1980 à situação atual que embaralha voto, armas, política, polícia e bandidagem, a apuração impecável de Misha Glenny revela cada peça de um complicado quebra-cabeça. COMPANHIA DAS LETRAS

Minhas duas meninas, de Teté Ribeiro
Minhas duas meninas, de Teté Ribeiro - Uma história comovente sobre os desafios e o desejo de ser mãe. Um belo retrato sobre ser mulher no mundo contemporâneo. - Após quase uma década lutando contra a infertilidade, a jornalista Teté Ribeiro tomou uma decisão ousada: ter filhos por meio de uma barriga de aluguel na Índia. Minhas duas meninas é o relato de seu périplo até essa decisão — e dos detalhes que marcaram a sua experiência. A relação com a mãe indiana, o dia a dia logo após o nascimento das gêmeas, as particularidades da clínica e os dilemas de ser mãe sem passar pela experiência de dar à luz são alguns dos pontos presentes neste relato comovente. Em parte livro de memórias, em parte retrato de geração, mas também reportagem exemplar, Minhas duas meninas é uma radiografia dos dilemas da mulher contemporânea. COMPANHIA DAS LETRAS

Uma temporada no escuro (Minha luta, vol. 4), de Karl Ove Knausgård
Uma temporada no escuro (Minha luta, vol. 4), de Karl Ove Knausgård - No quarto volume da série de ficção autobiográfica Minha Luta, Karl Ove Knausgård narra o inverno que passou perto do Círculo Polar Ártico, investindo na escrita e na perda da virgindade. - Karl Ove Knausgård está com dezoito anos quando parte para uma vila no norte da Noruega a fim de dar aulas a adolescentes. Sua intenção é juntar algum dinheiro para viajar e investir na incipiente atividade de escritor. No começo tudo corre bem, mas quando o escuro toma conta dos dias de inverno, a vida começa a se complicar. A escrita de Karl Ove para de fluir, e suas empreitadas para perder a virgindade fracassam. Com o alto consumo de álcool ele se aproxima da sombra do pai alcóolatra e resgata a temática do primeiro livro da série Minha Luta, A morte do pai. Como a narrativa não segue ordem cronológica, este volume — um dos mais arrebatadores — pode ser lido de forma independente. COMPANHIA DAS LETRAS

Volume 1 – A morte do pai
Volume 2 – Um outro amor
Volume 3 – A ilha da infância

A guerra não tem rosto de mulher, de Svetlana Aleksiévitch
A guerra não tem rosto de mulher, de Svetlana Aleksiévitch - Uma história ainda pouco conhecida, contada pelas próprias personagens: as incríveis aventuras das soldadas soviéticas que lutaram durante a Segunda Guerra Mundial. - A história das guerras costuma ser contada sob o ponto de vista masculino: soldados e generais, algozes e libertadores. Trata-se, porém, de um equívoco e de uma injustiça. Se em muitos conflitos as mulheres ficaram na retaguarda, em outros estiveram na linha de frente. É esse capítulo de bravura feminina que Svetlana Aleksiévitch reconstrói neste livro absolutamente apaixonante e forte. Quase um milhão de mulheres lutaram no Exército Vermelho durante a Segunda Guerra Mundial, mas a sua história nunca foi contada. Svetlana Alexiévitch deixa que as vozes dessas mulheres ressoem de forma angustiante e arrebatadora, em memórias que evocam frio, fome, violência sexual e a sombra onipresente da morte. COMPANHIA DAS LETRAS

A história dos meus dentes, de Valeria Luiselli
A história dos meus dentes, de Valeria Luiselli - Uma narrativa engraçada e comovente sobre como as histórias que inventamos moldam a nossa vida e nossa identidade. - Gustavo Sánchez Sánchez, mais conhecido como “Estrada”, tem uma missão: quer trocar todos os seus dentes. Ele possui algumas habilidades que podem ajudar nessa empreitada, como imitar Janis Joplin e decifrar biscoitos da sorte chineses. Além disso, ele é o melhor leiloeiro do mundo — mesmo que ninguém saiba disso, já que ele é muito discreto. Enquanto estuda o ofício com o grande mestre Oklahoma, Estrada viaja o mundo aperfeiçoando seu talento e nos mostra como o valor da arte e a nossa própria identidade podem ser construídos. Escrito com maestria e inventividade, A história dos meus dentes é um rompante espirituoso e elegante sobre nossa relação com o mundo dos objetos e suas histórias. EDITORA ALFAGUARA


Curtiram? Comentem! Beijos...

[Resenha] Ligeiramente Seduzidos

Ligeiramente Seduzidos - Mary Balogh

Ligeiramente Seduzidos - Mary Balogh
Série Os Bedwyns - Livro 04
Sinopse - Editora Arqueiro - 2016 - 288 páginas


Ligeiramente Seduzidos é o 4ª volume da série Os Bedwins, um romance de época ambientado no início do século XIX, que traz como pano de fundo acontecimentos anteriores e posteriores à Batalha de Waterloo, ocorrida em Junho de 1815. A primeira metade do livro se passa em Bruxelas, na Bélgica, e a segunda metade na Inglaterra, sendo protagonistas dessa história Gervase Ashford e Morgan Bedwyn.

Lorde Gervase Ashford, o conde de Rosthorn, odeia os Bedwyns, mais especificamente a Wulfric Bedwyn, o duque de Bewcastle, o ex-amigo responsável por seu exílio forçado, que o levou a passar nove anos longe de sua família e de sua terra natal. Voltar à Inglaterra anos depois não diminuiu o rancor de Rosthorn, nem seu desejo de vingança contra Wulfric e é com intenções nefastas que ele se aproxima de Morgan Bedwyn, a irmã mais nova do duque, tentando deliberadamente envolvê-la em fofocas ou até quem sabe num escândalo.

Lady Morgan Bedwyn é uma linda dama recém apresentada à sociedade, cujos modos irrepreensíveis abrigam uma mente inteligente, curiosa, inquieta e cabeça-dura. Morgan aceita ser cortejada pelo belo visconde Gordon apenas para que possa acompanhar o rapaz e sua família à Bruxelas, na Bélgica, onde parte do exército britânico (incluindo a cavalaria dos Life Guards da qual Gordon faz parte) está concentrado, aguardando um provável combate contra tropas francesas comandadas por Napoleão Bonaparte. Portanto, Morgan está mais interessada em presenciar o desenrolar dos acontecimentos históricos em Bruxelas, do que na companhia de Gordon em si.

Por isso, quando Rosthorn volta suas atenções para Morgan, ela resolve flertar com o perigo para agitar um pouco sua vida. Mas, enquanto o veterano conquistador tenta efetivar sua vingança e a jovem dama aceita o seu jogo de sedução, a possibilidade de uma grande batalha torna-se cada vez mais real. Com o passar dos dias, a inteligência e a personalidade de Morgan passam a encantar mais a Rosthorn do que a sua beleza, e Rosthorn torna-se um amigo precioso para Morgan. E quando realmente a batalha de Waterloo acontece, culminando na vitória dos aliados ingleses às custas de milhares de soldados mortos e feridos, a triste realidade da guerra os aproxima ainda mais: Rosthorn e Morgan ajudam a cuidar dos feridos e passam dias alheios às convenções sociais vigentes, enquanto a maior parte dos nobres procura manter a "pose".

Já na segunda parte do livro, quando Rosthorn e Morgan retornam à Inglaterra, tudo muda. Além da família Bedwyn estar vivendo um momento particularmente triste em decorrência da guerra, o comportamento de Morgan em Bruxelas não passou despercebido e ela vira alvo de fofocas. Wulfric fica furioso, Rosthorn arrependido e Morgan magoada ao descobrir as intenções ocultas de Rosthorn. Rosthorn e Wulfric precisarão lidar com seus "esqueletos no armário", toda família Bedwyn entrará em cena e a coisa ficará verdadeiramente agitada! Muitos "perdões" deverão ser distribuídos antes que todos possam encontrar seus respectivos finais felizes.

Ligeiramente Seduzidos foi o livro da série que menos me encantou até o momento. A primeira parte da leitura foi um pouco arrastada, não porque a autora não tenha desenvolvido bem a história, mas porque eu não me sinto particularmente atraída por enredos desenvolvidos durante guerras ou batalhas. Além disso, o casal Rosthorn e Morgan não me cativou, achei que faltou química entre os dois, a amizade deles me convenceu mais do que o romance subsequente. Achei as atitudes de Rasthorn exageradas na primeira metade da história e seu desejo de vingança contra Wulfric desproporcional (não vou revelar o motivo da "perrenga" entre os dois, mas pra mim Wulfric não foi tão culpado assim); por outro lado, não gostei da postura de Morgan na segunda parte quando ela descobriu a vingança de Rosthorn contra seu irmão, a forma como resolveu se vingar (da vingança!) não fez muito sentido para mim. Felizmente, quando todos os "porquês" foram revelados e os "perdões" distribuídos, pude sentir uma emoção genuína.

Para mim, o mais interessante dessa leitura foi obter um ótimo vislumbre de Wulfric Bedwyn, o mais austero e reservado dos irmãos. Pude descobrir uma importante parte do seu passado, que justifica um pouco sua atitude reservada para com tudo e todos. Também adorei a aparição dos demais Bedwyns na história, estou bem curiosa para ler o próximo livro e saber o que aconteceu com o Alleyne, além de ansiosa pelo último da série, que trará Wulfric como protagonista.

Série Os Bedwyns


1 - Ligeiramente Casados (2014) - Aidan Bedwyn e Eve Morris
2 - Ligeiramente Maliciosos (2015) - Rannulf Bedwyn e Judith Law
3 - Ligeiramente Escandalosos (2015) - Freyja Bedwyn e Joshua Moore
4 - Ligeiramente Seduzidos (2016) - Morgan Bedwyn e Gervase Ashford
5 - Ligeiramente Pecaminosos* - Alleyne Bedwyn e Rachel York
6 - Slightly Dangerous* - Wulfric Bedwyn e Christine Derrick
*em breve

Prequels
1. One Night for Love - Neville Wyatt e Lily Doyle
2. A Summer to Remember - Lauren Edgeworth e Kit Butler (ligação c/ a Freyja)


Essa leitura foi uma cortesia da Editora Arqueiro.
Aguardamos seus comentários! Beijos...

[Resenha] A caderneta vermelha

A caderneta vermelha - Antoine Laurain

A caderneta vermelha - Antoine Laurain
Sinopse - Editora Alfaguara - 2016 - 135 páginas


“A Caderneta Vermelha”, escrito por Antoine Laurain e publicado pela Editora Alfaguara, é um livro curto e leve sobre escolhas, coincidências e sobre o amor que pode nascer de formas inesperadas. Comecei a ler esperando exatamente o que obtive: uma história curiosa que não acontece todo dia!

Laurent é um livreiro de meia-idade, que passeando pelas ruas de Paris encontra uma bolsa feminina. Ele a leva para a polícia, mas chegando lá, pedem para que ele volte no dia seguinte. Laurent não aguenta de curiosidade e começa a explorar os objetos da bolsa, até encontrar uma caderneta vermelha, aparentemente um objeto pessoal de sua dona, que guarda pensamentos, medos, gostos, sonhos, tarefas... Ele se sente ligado à dona da bolsa e decide encontrá-la.

“Laurent se viu diante de uma mulher-quebra-cabeça. Uma silhueta imprecisa, como se estivesse atrás de uma vidraça coberta de vapor, um rosto semelhante àqueles que encontramos nos sonhos e cujos traços se embaralham quando tentamos rememorá-los.”

Laure é uma douradora (profissional que reveste objetos com ouro) e vive com seu gato Belfegor, sua única companhia. Numa certa noite, quando estava prestes a entrar em seu apartamento, foi roubada e bateu a cabeça na maçaneta da porta, depois sem ter o que fazer e sem as chaves do apartamento, decidiu se hospedar num hotel do outro lado da rua, jurando que no dia seguinte pagaria a hospedagem. Mas Laure amanheceu em coma e foi levada para um hospital.

“(...) o apartamento não guardara nenhum vestígio da presença de Laurent. Aquele homem havia passado por ali como uma corrente de ar – apenas o gato tinha dele uma lembrança muito precisa e seguramente acompanhara todos os seus atos e gestos, mas se recusara a informar o que quer que fosse.”

A narrativa em terceira pessoa faz com que o livro seja viciante, mesmo acontecendo pouca coisa, fiquei a história inteira torcendo para Laure e Laurent se encontrarem logo, receosa com cada obstáculo enfrentado e feliz com cada nova pista descoberta por Laurent, gostei da sua coragem e determinação.

Me identifiquei com Laurent ao descobrir que ele era livreiro e tinha uma paixão por esses amiguinhos que nós tanto amamos. Ele se mostra um homem calmo, tímido e paciente. Este é um livro mais focado em sentimentos e em relações pessoais, por esse motivo, não possui tantos personagens. Basicamente, os personagens são Laure, Laurent, William (um amigo de Laure) e Chloé (filha de Laurent).

E como sempre acontece nos livros ambientados em Paris, a ambientação foi maravilhosa e poderia ter sido mais explorada sem problema algum, amo me sentir em Paris e ler sobre as cafeterias que existem lá, quando os protagonistas das histórias param nelas para refletir é ainda melhor.

Uma coisa que entranhei um pouco no livro foi a falta de travessão nas falas, que também não são diferenciadas da narração por meio de aspas ou por um parágrafo exclusivo, elas estão juntas no texto sem indicação de quem falou. Mas por incrível que pareça, consegui entender “quem disse o quê”, acho que essa característica trouxe um charminho a mais à história e combinou um pouco com ela, me trouxe para mais perto da trama.

O livro mostra como o amor pode morar a alguns quarteirões sem que você sequer tenha trombado com ele. “A Caderneta Vermelha” é um livro leve que vai encantar tanto os leitores menos românticos, quanto os fãs do gênero.

Essa leitura foi uma cortesia da Editora Alfaguara.
Aguardamos seus comentários! Beijos vermelhos...

[Resenha] Trama

Trama - Michael Jensen

Trama - Michael Jensen e David Powers King
Sinopse - Editora Arqueiro - 2016 - 304 páginas


Trama é um livro de fantasia concebido por um contador de histórias [Michael Jensen] e escrito em coautoria com David Powers King, juntos eles criaram uma história inusitada onde magia e sobrenatural entrelaçam-se a ficção científica, no enredo uma princesa mimada e preconceituosa terá que vencer seus próprios “dragões” para salvar seu cavaleiro fantasma e assim libertar seu reino de uma antiga maldição.

Simples e encantador, Trama é um daqueles livros que você não consegue largar, com personagens carismáticos, mistério e uma tecitura mágica. Averand é um reino de “contos de fada”, mas com um rei amaldiçoado que pouco se importa com seu povo, sua única herdeira a princesa Tyra teme seu futuro como regente, portanto busca um marido forte que possa reger em seu lugar, o prepotente Sir Arek é o seu escolhido, porém quando o jovem Nels - um simples camponês - vence Sir Arek em um festival, Tyra começa a ver seu mundo perfeito ruir, a partir disso uma jornada repleta de aventuras irá transformar completamente sua vida.

“O mundo é seu tecido, o povo é seu fio.”

Aos poucos Tyra descobre que tudo está ligado, tanto ela quanto seu povo, apesar dela abominar plebeus. A Nels será revelado: uma aliança do passado, sua verdadeira origem, e que o futuro do reino está ligado a ele e a princesa... [coitadinho, vai ter que ralar]. Isso mesmo, porque a única coisa que eles têm em comum é um misterioso inimigo, o que os obriga a colocar de lado as diferenças e sair em busca de elementos de um tipo de magia baseada nos fundamentos da costura e da tecelagem:

“- Existem três tipos de gente que faz magia: conjuradores, profetas e fazedores de costuras!”

Rasmus, o grande vilão da história [digamos que Sir Arek é o vilãozinho], coordena a cena já no primeiro capítulo, um feiticeiro metamorfo que pode transformar-se em qualquer um e tem como foco destruir o reino em nome de uma antiga vingança e o seu primeiro passo para tanto foi destecer Nels. [ohhhhhhh!]

Sim, ele é um cavaleiro fantasma, a única coisa que pode trazer Nels de volta a vida é uma agulha mágica e Tyra é a única pessoa que poderá apoderar-se dela, hahaha! Assim entre inúmeras aventuras, e coloca aventura nisso, tudo se resume na maior e única força indestrutível e invencível: o amor verdadeiro eheheheheh!

Um clímax digno de cinema nos conduz a uma solução previsível mas bem satisfatória, ah, temos também a deixa para uma continuação com a amiguinha de Nels “arrasando” na costura, pressagiando ser uma possível aprendiz de urdidura, logo aguardamos um próximo livro de Michael Jensen que seja belo e inteligente como Trama.

Recomendado aos apaixonados por livros apaixonantes!
Excelente Leitura.

Essa leitura foi uma cortesia da Editora Arqueiro.
Aguardamos seus comentários! By.:.