Balanço Passional - Novembro/2016


Olá Amigos Passionais!!! O ano está quase acabando e, entrando no ritmo das férias, daremos uma pausa no blog na primeira quinzena de dezembro, mas depois voltaremos com algumas resenhas para fechar o ano com chave de ouro, ok? Confiram o que rolou por aqui em novembro:

Resenhas


resenharesenharesenha

resenharesenha


Outras Postagens






Promoções



Agradecemos sua participação e todos os comentários carinhosos que recebemos na postagem de promoção de aniversário do blog ♥ Entre os dias 1 e 2 liberaremos o resultado dos sorteios, ok!?!

Até logo e beijos...

[Resenha] BOO

BOO - Neil Smith

BOO - Neil Smith
Sinopse - Rocco/Fábrica 231 - 2016 - 336 páginas


Oliver Dalrymple, mais conhecido pelos colegas como “Boo” por causa da sua pele pálida e cabelo arrepiado, tem 13 anos e estuda do Helen Keller, em Illinois, nos Estados Unidos. Certo dia, na escola, enquanto estava na frente de seu armário recitando todos os elementos da tabela periódica de cor, Boo acaba morrendo por conta de uma falha em seu coração.

O lugar para onde Boo vai não é como ele imaginou, é uma espécie de céu para onde todos os estadunidenses que morreram com 13 anos de idade vão. Chegando lá, ele começa a relatar sua vida pós-morte com o objetivo de mostrar isso para seus pais algum dia, e é desse relato que o livro se constitui.

As coisas mudam drasticamente quando Johnny Henzel chega à Cidade (nome dado ao céu para aqueles que têm 13 anos), Johnny estudava no Helen Keller junto com Boo, mesmo com eles tendo se falado pouco na Terra, existia uma relação de quase amizade entre os dois. Johnny conta que foi morto por um tiro disparado na escola durante o intervalo e que muito possivelmente, Boo também foi atingido, o que originou sua morte e não a falha no coração como ele imaginava. A partir daí, Johnny e Boo começam a caça ao Atirador.

“Boo” é um livro diferente e original, adorei as descrições do céu e os personagens apresentados na história, mesmo que eu não conseguisse vê-los como se tivessem 13 anos por causa da sua maturidade, sempre imaginava algum personagem bem mais velho. Eu amei cada um dos personagens, Boo e seu jeitinho nerd, Johnny e sua alma inconsequente e livre e também as amigas que eles fazem na Cidade, Esther e seu estilo curto e grosso e Thelma, quase uma “mãe” dos garotos, tive vontade de guardar todos esses personagens em um potinho e colocar na minha estante.

Essa história é muito divertida mesmo tendo bastante drama (uma coisa que me fez amar ainda mais a trama), quando comecei a virar as páginas não parei mais, a narrativa é bastante descritiva, mas é tão leve que nos faz viciar na leitura.

O mais interessante no livro são as teorias que os personagens fazem sobre o que acontece depois que um citadino (morador da Cidade) completa 50 anos de morte e desaparece da Cidade, amo mistérios não solucionados, achei bem inteligente e original o autor falar sobre a morte e não explicar exatamente tudo (as pessoas esperam que isso seja explicado, é uma surpresa não haver explicação), alguns acreditam que os citadinos voltem para a América para uma nova vida, ou será que eles vão para algum outro lugar?

Outra coisa bacana é a relação dos citadinos com Deus (ou Zig, nome dado por Boo), eles são muito agradecidos por estarem ali e terem essa oportunidade pós-vida, mas questionam bastante as decisões de Zig e algumas de suas ações, claro que tudo tem um motivo e isso chega a ser justificado para o leitor, mas é legal ler sobre uma pós-morte que não parece perfeita, mas que funciona bem (e é interessante).

O final desse livro me deixou chocada e realmente não sei como a reviravolta da trama não passou pela minha cabeça antes, não foi exatamente como eu queria, mas até que gostei do rumo que a história tomou. Recomendo muito esse livro para quem gosta de infantojuvenis profundos, dramas e histórias de amizade.

Essa leitura foi uma cortesia da Editora Rocco.
Aguardamos seus comentários! Beijos...

Vitrine Rocco * Novembro

Olá Amigos Passionais!
Confiram os lançamentos de novembro da Editora Rocco:

ANIMAIS FANTÁSTICOS E ONDE HABITAM - Guia do Mundo Mágico do Filme
ANIMAIS FANTÁSTICOS E ONDE HABITAM - Guia do Mundo Mágico do Filme - Um livro que oferece aos fãs tudo que eles precisam saber sobre o mundo mágico de Animais fantásticos e onde habitam. Com fotos incríveis e detalhes do tão aguardado filme da Warner Bros. Pictures, este guia destaca uma rica seleção de personagens, locações, artefatos, feitiços e momentos mágicos do longa-metragem que chega aos cinemas em 17 de novembro e marca a estreia como roteirista de J.K. Rowling, autora da série Harry Potter.

ANIMAIS FANTÁSTICOS E ONDE HABITAM - Guia dos Personagens
ANIMAIS FANTÁSTICOS E ONDE HABITAM - Guia dos Personagens - Esse livro apresenta informações detalhadas sobre o magizoologista Newt Scamander, as bruxas Tina e Queenie Goldstein, o aspirante a padeiro Jacob Kowalski e outros personagens inesquecíveis que participam desta aventura completamente nova ambientada numa nova era do mundo bruxo – Nova York, 1926.

O ADVOGADO REBELDE (John Grisham)
O ADVOGADO REBELDE (John Grisham) - Na lista dos mais vendidos do The New York Times desde o lançamento nos EUA, em outubro de 2015, O advogado rebelde apresenta um dos mais ousados protagonistas do mestre dos thrillers de tribunal John Grisham. Sebastian Rudd é o advogado rebelde da trama. Seu escritório é uma van blindada, seu motorista anda fortemente armado e seus clientes são pessoas das quais a maioria dos advogados prefere manter distância, como um jovem viciado acusado de participar de um culto satânico e molestar e matar duas crianças pequenas. Mas Sebastian Rudd acredita que todos merecem um julgamento justo, ainda que ele tenha que trapacear para fazer justiça. Em sua melhor forma, Grisham constrói um suspense eletrizante e não se furta a criticar o sistema judiciário e as grandes corporações neste novo romance.

EM UM BOSQUE MUITO ESCURO - Coleção Luz Negra (Ruth Ware)
EM UM BOSQUE MUITO ESCURO - Coleção Luz Negra (Ruth Ware) - A britânica Ruth Ware alcançou as listas dos mais vendidos do The New York Times, USA Today e Los Angeles Times com este surpreendente romance de estreia que chega ao Brasil pela coleção de suspense Luz Negra. Em um bosque muito escuro é narrado por uma escritora reclusa que aceita o convite para a despedida de solteira de uma amiga de escola com a qual não tinha contato há anos. Quarenta e oito horas depois de chegar ao local da festa, uma casa de campo isolada, ela desperta numa cama de hospital, com a devastadora certeza de que alguém está morto. E mais do que tentar lembrar o que aconteceu no fatídico fim de semana, precisa descobrir o que fez. Com uma atmosfera inquietante, em que segredos do passado são revelados aos poucos e as relações se constroem pelo entrelaçamento de admiração, carinho, inveja e ressentimentos, Ruth Ware entrega um thriller arrebatador, que não à toa a colocou entre os principais nomes do novo suspense feminino, como Paula Hawkins e Gillian Flynn. Em um bosque muito escuro será adaptado para o cinema por Reese Whiterspoon.

RIO-PARIS-RIO (Luciana Hidalgo)
RIO-PARIS-RIO (Luciana Hidalgo) - Maria e Arthur se encontram em Paris no início de 1968. Ela estuda filosofia na Sorbonne, ele é poeta e artista de rua. Juntos vivem os excessos daqueles anos de revoluções e utopias e fogem da ditadura no Brasil, divididos entre o deslumbramento pelo que o Velho Mundo lhes oferece e a permanente sensação de que são intrusos na grande festa que é Paris. Duas vezes ganhadora do prêmio Jabuti, uma delas com a biografia Arthur Bispo do Rosário – O senhor do labirinto, publicada pela Rocco, a jornalista e escritora Luciana Hidalgo estreou na ficção com O passeador, romance ambientado no Rio de Janeiro da Belle Époque. Agora, em seu segundo romance, a autora narra uma história de amor, sonhos e desilusões, tendo como pano de fundo um período conturbado da história, tanto na Europa quanto no Brasil, com uma prosa poética e potente.

FELLSIDE - Estranhos visitantes (M. R. Carey)
FELLSIDE - Estranhos visitantes (M. R. Carey) - Uma história de terror moderna, perturbadora e emocionante, assinada pelo mestre dos quadrinhos M. R. Carey, pseudônimo de Mike Carey, roteirista de sucessos como X-Men e Hellblazer e autor do cultuado A menina que tinha dons, adaptado para a telona pela Warner Bros (ainda sem previsão de estreia no Brasil). Em seu segundo romance, Carey conta a história de uma mulher que vive em Fellside, uma prisão de segurança máxima localizada nos confins da Inglaterra. Acusada de ter incendiado o seu apartamento e matado por acidente uma criança, Jess Moulson vive afundada em culpa e medo, e sabe que não pode confiar em ninguém ali. Até que começa a ouvir a voz de uma criança. Uma criança morta, que tem uma mensagem para Jess.


RECOMEÇOS - Torn #2 (K. A. Robinson)
RECOMEÇOS - Torn #2 (K. A. Robinson) - No segundo livro da série Torn, Chloe Richards tem que encarar um difícil reencontro com sua mãe, com quem sempre teve uma relação complicada, e superar muitas dificuldades para manter o relacionamento com Drake Allen, o charmoso vocalista de uma banda de rock que ela conheceu em seu primeiro dia na universidade. Depois de Cicatrizes, K.A. Robinson põe sua protagonista frente a frente com o passado, o que inclui não só um acerto de contas com Andrea Richards, mas também um antigo namorado que vai ajudar Chloe nessa missão, despertando o ciúme de Drake. E o casal mais uma vez vai precisar contornar uma série de mal-entendidos para, enfim, seguir em frente e recomeçar.

DESPERTE A DIVA QUE EXISTE EM VOCÊ (Filipe Oliveira & Eduardo Camargo)
DESPERTE A DIVA QUE EXISTE EM VOCÊ (Filipe Oliveira & Eduardo Camargo) - Com mais de dois milhões de seguidores somente no Facebook – além de blog, página no Twitter e no Instagram e canal no Youtube – a página Diva Depressão leva a ironia e o tom debochado que renderam alguns dos memes mais compartilhados da web brasileira para o papel. No novo livro da dupla responsável pelo fenômeno da web, a diversão já começa no prefácio: os leitores são convidados a descobrir sua identidade Diva, usando uma tabela baseada na data de nascimento, e a se transformar, por exemplo, em Baronesa Narcisa Montilla Campari. Depois de assumir uma persona mais glamourosa, é hora do autoconhecimento, com uma sequência de testes que avaliam personalidade, grau de chatice e nível de estresse, entre outros tópicos. Além de um passatempo divertido, o livro ajuda qualquer um a despertar sua diva interior, ou, pelo menos, a dar boas gargalhadas.

Curtiram? Comentem! Beijos...

[Resenha] Minhas duas meninas

Minhas duas meninas - Teté Ribeiro

Minhas duas meninas - Teté Ribeiro
Sinopse - Companhia das Letras - 2016 - 184 páginas


“Minhas duas meninas”, obra da jornalista e escritora brasileira Teté Ribeiro, é um relato real, pessoal e interessante, que nos mostra como ela e o seu marido realizaram o sonho de ter filhos através da reprodução assistida, utilizando os serviços de uma clínica neonatal especializada em barrigas de aluguel, localizada na Índia.

A narrativa em primeira pessoa é feita pela própria Teté, que não mantém uma linearidade cronológica na exposição dos fatos, alternando sua história entre presente, passado recente, passado “não tão recente” e passado remoto. No entanto, durante esse “vai-e-vem” dos acontecimentos, a autora nunca perde o “fio da meada” e o leitor não se sente perdido, mas como se estivesse conversando com uma amiga, que conta sua história espontaneamente, como lhe vem à cabeça naquele momento.

Os primeiros capítulos narram a chegada de Teté à Índia, o impacto visual e cultural que todo viajante sente ao chegar ao local, o primeiro encontro com seus bebês Rita e Cecília, as primeiras providências práticas, a chegada de Sérgio (seu marido e pai das meninas) alguns dias depois e as primeiras grandes emoções trazidas pela maternidade.

No decorrer da narrativa, a autora nos conta um pouco sobre sua família – pai, mãe e irmã –, sobre sua adolescência e algumas decisões delicadas que tomou na época. Teté revela antigos sonhos e decepções, sua saga com os diversos tratamentos para engravidar, e o momento em que decidiu mudar de estratégia. Conheceremos sua breve passagem pelo burocrático caminho brasileiro da adoção, e como surgiu a ideia de, eventualmente, utilizar uma barriga de aluguel para gerar seus bebês. Tudo é relatado de forma natural e objetiva, sem dramatizações ou julgamentos.

Ao acompanhar a rotina de Teté na Índia, absorvemos um pouco sobre os costumes, a cultura, a culinária e a história desse povo. Teté fala sobre o mercado de trabalho indiano, onde a concorrência acirrada por empregos que exijam pouca ou nenhuma qualificação resulta, às vezes, em péssimas condições de trabalho; o sistema de castas também é abordado, e como impacta negativamente na vida do cidadão das castas mais baixas.

No decorrer dos capítulos, ficamos sabendo alguns fatos sobre como surgiram os primeiros bebês de proveta, sobre a técnica de barriga de aluguel e como funciona essa prática na Índia e em alguns outros países do mundo. Conhecemos Vanita, a mulher que alugou sua barriga para gerar as filhas de Teté, o seu marido Sandip e seu filho Aarav, além de várias outras mulheres que residem na “Casa das Grávidas”, em diferentes períodos da gestação. A autora fala um pouco sobre o que levou algumas dessas mulheres a serem “barrigas de aluguel”, na esperança que o dinheiro obtido com esse “trabalho temporário” transforme positivamente as suas vidas.

Mas quem, cuja presença definitivamente me chamou a atenção nessa história, foi o Sr.Uday, o indiano designado pela clínica para ser o motorista eventual da Teté é uma figura, discreto e ao mesmo tempo espalhafatoso, um homem evasivo, que diz muito falando pouco; sem dúvida sua sabedoria própria e senso de humor único tornaram a experiência de Teté ainda mais especial, e a leitura bem mais descontraída.

No coração do livro, encontram-se as fotos das bebês Rita e Cecília no dia em que Teté as conheceu, da Teté e do Sérgio com suas meninas no colo, da Vanita, o Sandip e o Aarav com a Teté, da Dra. Nayana Patel com algumas mulheres da Casa das Grávidas e do Sr. Uday, é claro. As fotos são simples, coloridas, repletas de significado e foram essenciais para que eu pudesse imaginar as pessoas reais que a Teté me apresentou durante essa leitura. Adorei!

Essa leitura foi uma cortesia da Companhia das Letras.
Aguardamos seus comentários! Beijos...