[Resenha] A Rebelde do Deserto

A Rebelde do Deserto - Alwyn Hamilton

A Rebelde do Deserto - Alwyn Hamilton
Série A Rebelde do Deserto - Livro 01
Sinopse - Editora Seguinte - 2016 - 312 páginas


Amani Al’Hiza é uma adolescente que, como tantas outras neste mundo, deseja fugir das condições áridas de vida que o destino lhe impingiu. Mas ela também é uma garota do deserto, acostumada a escutar histórias sobre djinnis*, demdjis*, buraqis* e carniçais*, a aceitar naturalmente toda a magia, perigo e força ocultos nas areias do deserto, que impregnam suas roupas e cada poro do seu ser.

Em A Rebelde do Deserto, acompanharemos a fuga de Amani, que partirá da Vila da Poeira através do Deserto de Miraji para construir o seu próprio futuro. Nessa busca por um chão firme onde fincar raízes, ela descobrirá muito mais sobre si mesma, sua essência e habilidades do que jamais teria imaginado.

A história de Amani é fascinante e encantadora, assim como o cenário físico e político que se descortina por trás das aventuras da protagonista. O deserto está em ebulição, o sultão domina a região com mãos de ferro, aliando-se ao povo vizinho (os gallans), fornecendo as armas fabricadas na Vila da Poeira em troca de apoio político, sem dar-se conta do poder que entrega nas mãos de um possível futuro inimigo. Em contrapartida, temos Ahmed, o líder de uma aliança rebelde com um forte ideal, que visa derrubar o sultão e proporcionar um mundo melhor aos mirajins. Ele é, na verdade, um dos filhos do sultão, o verdadeiro sultim que teria direito a ser o herdeiro do trono, se não tivesse sido exilado da cidade pelo seu pai.

Pega no fogo cruzado entre o sultão, os gallans, os mirajins e os rebeldes está Amani, que ao fugir acompanhada do misterioso forasteiro Jin, atraiu as atenções do exército do sultão, que agora persegue os dois, já que Jin é acusado de traição pelo tirano. No início não sabemos o verdadeiro motivo da perseguição, tudo o que percebemos é que Jin é um rapaz esperto, corajoso e encantador e que Amani não poderia ter escolhido (ou sido escolhida por?) companhia melhor em sua jornada. E o melhor de tudo é que entendemos perfeitamente que Amani seria capaz de fazer tudo sozinha, sua associação ao Jin é voluntária e uma das diversas escolhas que toma ao longo do caminho, mas Amani não é o elo fraco da corrente, pelo contrário, ela é deliciosamente poderosa.

Os personagens desse livro são marcantes. Essa rebelde que luta inicialmente por sua vida, mas que ao longo do caminho passa a lutar também pelos seus amigos e pelo seu povo, me instigou a torcer por ela: Amani é tão autêntica, que mesmo alguns de seus atos “egoístas” do começo da história foram justificadamente perdoados. E Jin é o cara, seu charme, coragem insana e lealdade feroz me deixaram com o coração na mão e completamente apaixonada! Sem falar em Ahmed, que se revelou um líder totalmente carismático e com justos ideais, a quem eu certamente seguiria! A história conta ainda com diversos outros personagens secundários, todos únicos e especiais.

A Rebelde do Deserto faz parte de uma série, mas o primeiro livro não economiza em emoções e nos entrega uma história completa e complexa, com muita aventura, encanto, coragem e amor. Os personagens e cenários foram apresentados de maneira linda e apaixonante, sentimentos e objetivos tornaram-se claros, o primeiro grande passo foi dado e um ciclo se cumpriu. O desejo de Amani pela liberdade agora é o anseio de todo um povo e só nos resta esperar pelos próximos volumes!

“Uma nova alvorada, um novo deserto!”

Amei, favoritei e recomendo passionalmente!

*Djinnis – seres primordiais imortais, feitos do corpo de fogo de Deus, criaturas naturalmente hábeis em ilusão e manipulação;

*Demdjis – filhos de djinnis com mulheres mortais que herdam habilidades dos pais, poderes que vêm dos ventos e do calor do deserto;

*Buraqis – seres primordiais imortais feitos de areia e vento capazes de correr até o fim do mundo, que podem ser transformados em carne e osso pela mulher que o captura;

*Carniçais – filhos da Destruidora dos Mundos, monstros capazes de matar mortais e imortais, criaturas da noite que aterrorizam o deserto.


Essa leitura foi uma cortesia da Editora Seguinte.
Aguardamos seus comentários! Beijos... 

Vitrine Harlequin * Maio

Olá Amigos Passionais! Chegou a hora de apresentar as novidades de Maio da Editora Harlequin. Abaixo vocês podem conferir as capas dos lançamentos do mês e, para conhecer as sinopses e as ofertas especiais que a editora preparou, é só clicar aqui. "Apaixonadas pela Emoção" e "Escolhas do Coração" foram os que mais me interessaram, me digam quais seriam as escolhas de vocês:







Curtiram? Comentem! Beijos...

Vitrine Grupo Companhia das Letras * Maio

Olá Amigos Passionais!!!
Confiram os lançamentos de maio do Grupo Companhia das Letras:

A coroa (A Seleção, vol.5), de Kiera Cass
A coroa (A Seleção, vol.5), de Kiera Cass - Às vezes, se apaixonar é a atitude mais corajosa que alguém pode ter. Em A herdeira, o universo de A Seleção entrou numa nova era. Vinte anos se passaram desde que America Singer e o príncipe Maxon se apaixonaram, e a filha do casal é a primeira princesa a passar por sua própria Seleção. Ela não acreditava que encontraria, tal como seus pais, um amor verdadeiro durante o concurso. Mas alguns candidatos conseguem abrir rachaduras nas muralhas que Eadlyn construiu em volta de si mesma, principalmente de seu coração.

Aos poucos, os Selecionados se tornam seu porto seguro, ao mesmo tempo que a fazem enxergar como é a vida fora da bolha em que vive. E ela realmente está precisando: os acontecimentos no palácio obrigam Eadlyn a assumir cada vez mais responsabilidades no governo, e a garota não tem escolha a não ser encarar a rejeição do público. Seu maior desafio é se aproximar do povo, mostrando que se importa e que tem capacidade de governar. Tudo isso enquanto a pressão para escolher um marido só aumenta — e um garoto em particular começa a tomar conta de seu coração.


Fração de segundo (Encruzilhada, vol. 2), de Kasie West
Fração de segundo (Encruzilhada, vol. 2), de Kasie West - A vida pode mudar numa fração de segundo. Por causa de sua habilidade paranormal, Addie é capaz de Investigar seu futuro sempre que se depara com uma escolha, mas isso não torna sua realidade mais fácil. Depois de ser usada pelo namorado e traída por Laila, sua melhor amiga, ela não hesita em passar as férias com o pai no mundo Normal. Lá ela conhece Trevor, um garoto incrivelmente familiar. Se até pouco tempo ele era um estranho, por que o coração de Addie acelera toda vez que o vê? Enquanto isso, Laila guarda um grande segredo: ela pode restaurar as memórias de Addie — só falta aprender como. Muita gente poderosa não quer que isso aconteça, e a única pessoa que pode ajudar Laila é Connor, um bad boy que não parece muito disposto a colaborar. Como ela vai ajudar a amiga a alcançar o futuro feliz que merece?


O acordo (Off-Campus, vol. 1), de Elle Kennedy
O acordo (Off-Campus, vol. 1), de Elle Kennedy - Hannah Wells finalmente encontrou alguém que a interessasse. Embora seja autoconfiante em vários outros aspectos da vida, carrega nas costas uma bagagem e tanto quando o assunto é sexo e sedução. Não vai ter jeito: ela vai ter que sair da zona de conforto… Mesmo que isso signifique dar aulas particulares para o infantil, irritante e convencido capitão do time de hóquei, em troca de um encontro de mentirinha. Tudo o que Garrett Graham quer é se formar para poder jogar hóquei profissional. Mas suas notas cada vez mais baixas estão ameaçando arruinar tudo aquilo pelo que tanto se dedicou. Se ajudar uma garota linda e sarcástica a fazer ciúmes em outro cara puder garantir sua vaga no time, ele topa. Mas o que era apenas uma troca de favores entre dois opostos acaba se tornando uma amizade inesperada. Até que um beijo faz que Hannah e Garret precisem repensar os termos de seu acordo.

As improváveis aventuras de Mabel Jones (Mabel Jones, vol, 1), de Will Mabbitt
As improváveis aventuras de Mabel Jones (Mabel Jones, vol, 1), de Will Mabbitt - Sequestrada, Mabel Jones é forçada a servir a tripulação mais estranha já vista, a bordo do navio Verme Selvagem. Idryss Ebenezer Split é um lobo odioso e capitão do navio, e não vai deixá-la em paz até que ela ajude os piratas na busca por um tesouro. Em sua viagem, Mabel passa pelo Pau de Sebo da Morte Certeira, pela barriga de uma baleia e por uma cripta subterrânea caindo aos pedaços. E ela faz tudo isso… de pijama!

Tá todo mundo mal, de Jout Jout
Tá todo mundo mal, de Jout Jout - Do alto de seus 25 anos, Julia Tolezano, mais conhecida como Jout Jout, já passou por todo tipo de crise. De achar que seus peitos eram pequenos demais a não saber que carreira seguir. Em Tá todo mundo mal, ela reuniu as suas “melhores” angústias em textos tão divertidos e inspirados quanto os vídeos de seu canal no YouTube, “Jout Jout, Prazer”. Família, aparência, inseguranças, relacionamentos amorosos, trabalho, onde morar e o que fazer com os sushis que sobraram no prato são algumas das questões que ela levanta. Além de nos identificarmos, Jout Jout sabe como nos fazer sentir melhor, pois nada como ouvir sobre crises alheias para aliviar as nossas próprias!

Cidade em chamas, de Garth Risk Hallberg
Cidade em chamas, de Garth Risk Hallberg - Nova York, 1976. O sonho hippie acabou, e dos escombros surge uma nova cultura urbana. Saem as mensagens de paz e amor e as camisetas tingidas, entram as guitarras desafinadas, os acordes raivosos e os coturnos caindo aos pedaços. Por toda a cidade brotam galerias de arte e casas de show esfumaçadas. É nesse cenário que Garth Risk Hallberg situa esta obra colossal, aclamada pela crítica como uma das grandes estreias literárias de nosso tempo. Regan e William são irmãos e herdeiros de uma grande fortuna. Ela, uma legítima Hamilton-Sweeney e eternamente preocupada com o futuro da família, vê seu casamento desmoronar em meio às infidelidades do marido. Ele, a ovelha negra, fundador de uma mitológica banda punk, artista plástico recluso e figura lendária das artes nova-iorquinas. Ao redor dos dois gira uma constelação de tipos e acasos. A jovem fotógrafa que descobre um influente movimento musical pelas ruas da cidade. O jovem professor negro e gay que chega do interior e se apaixona pelo misterioso artista. O grupo de ativistas que pode ou não estar levando longe demais o sonho de derrubar o establishment. O garoto careta e asmático que se apaixona pela punk indomável. O repórter que sonha ser o novo nome do jornalismo literário americano. E, em meio a tudo isso, um crime que vai cruzar suas vidas de forma imprevisível e irremediável. Combinando o ritmo de um thriller ao escopo dos grandes épicos da literatura, Garth Risk Hallberg constrói um meticuloso retrato de uma metrópole em transformação. Dos altos salões do poder às ruelas do subúrbio, ele captura a explosão social e artística que definiu uma década e transformou o mundo para sempre. Cidade em chamas é um romance inesquecível sobre amor, traição e perdão, sobre arte e punk rock. Sobre pessoas que precisam umas das outras para sobreviver. E sobre o que faz a vida valer a pena.

Flores, de Afonso Cruz
Flores, de Afonso Cruz - “Tenho de agradecer-te, pai, o modo como sorrias quando eu chegava a casa e te abraçava, confuso pela tua presença breve, delicada, como uma brisa. Se um dia vier a acreditar em Deus, não quero relâmpagos e trovões, quero um sorriso delicado como aquele que aparecia no teu rosto.” Flores começa com uma perda, a perda do pai. E é a partir daí que o narrador, um jornalista que vive com a filha e a mulher numa relação cheia de incômodos, passa a notar seus vizinhos e a conviver com o senhor Ulme. Ulme sofre além da conta com as notícias que lê nos jornais e com todas as tragédias humanas às quais assiste. Certo dia percebe não se lembrar de seu primeiro beijo, dos jogos de bola nas ruas da aldeia ou de já ter visto uma mulher nua. Seu vizinho, talvez por ainda recordar bem do encanto do primeiro beijo - e constatar o quanto a sua vida se distanciava dele -, decide ajudar o senhor a escrever sua história e a recuperar as lembranças perdidas. Ele visita a aldeia alentejana esquecida no tempo e vai aos poucos remontando a identidade de Manuel Ulme, homem que, pelos relatos, parece ter oscilado entre um bom samaritano e um perverso entregue aos prazeres da paixão. O contraste fica cada vez mais claro: enquanto um homem não tem passado e não se lembra do amor, o outro sofre com o presente e com a consciência da rotina que a cada dia destrói sua relação, quando um beijo já perdeu todo o encanto e se tornou tão banal quanto arrumar a cama. Construído em capítulos curtos e com uma voz originalíssima, o romance de Afonso Cruz comove ao falar da memória, do que é o amor e das tragédias que acabam por virar banalidades.

Morte súbita, de Álvaro Enrigue
Morte súbita, de Álvaro Enrigue - Caravaggio e Quevedo se enfrentando numa partida de pallacorda é mesmo uma senhora fantasia. Se a Europa seiscentista é como uma grande quadra onde se confrontam a Reforma Protestante e a Contrarreforma Católica, o pintor italiano e o poeta espanhol também encarnam o embate entre duas maneiras de viver e de fazer arte: Caravaggio, o artista apesar das circunstâncias, com sua sexualidade fluida, flertando com a marginália e o crime, reinventor da pintura para além de seus limites; Quevedo, o nobre cioso de sua honra, abraçado à mais reacionária e hipócrita moral católica que logo envolverá o mundo em censura e fogueiras, mestre genial dos sonetos, da homofobia e do antissemitismo. Tendo como eixo esse conflito, Enrigue expande seu jogo em várias direções, farejando rastros de sangue, sêmen e ouro. Com a liberdade dos melhores romances, o autor segue atalhos que nos levam a tempos passados e futuros, ora cruzando o Atlântico, ora transitando dentro dos reinos europeus num bate e rebate estonteante. Os lances de Caravaggio abrem caminho a um desfile que inclui um curioso Galileu Galilei, um finório Pio IV e um são Carlos Borromeu tão fanático quanto obtuso, a par de banqueiros, prostitutas e mendigos, todos às voltas com pequenas intrigas paroquiais e grandes negociações que marcarão o destino do mundo. Os golpes de Quevedo carregam a decadente corte espanhola de Filipe III e dos duques de Osuna, e por meio da duquesa, neta de Hernán Cortés, nos levam ao México arrasado pelo conquistador de braço dado com uma surpreendente Malinche muito dona do seu nariz; ao martírio do imperador Moctezuma e de seu grande general Cuauhtémoc. E daí, ao princípio de nação construída sobre as ruínas astecas, abrigo das utópicas experiências de um padre que leu a Utopia de Thomas Morus ao pé da letra, amigo e protetor de um gênio da arte plumária indígena, grande apreciador de cogumelos alucinógenos que espalhou suas obras-primas pela Europa e encheu os olhos de quem as soube olhar. Mas engana-se quem vir em Morte súbita um romance histórico. Ele é muito mais do que isso: uma obra em que o passado factual é pretexto para especular sobre grandes questões dolorosamente presentes.

O céu de Lima, de Juan Goméz Bárcena - José Gálvez e Carlos Rodríguez gostam de pensar que são poetas. Filhos da elite limenha dos anos 1910, passam o tempo escrevendo versos e lendo autores importantes. Quando não conseguem encontrar o novo livro do mestre espanhol Juan Ramón Jímenez, eles decidem criar uma personagem feminina e pedir o livro diretamente ao poeta. O resultado dessa broma literária foi uma vasta correspondência que culminou com o espanhol apaixonando-se por um fantasma. Baseando-se nesta história real, Juan Gómez Bárcena recria, de forma imaginativa e irônica, as condições sociais de Lima, o empenho de dois jovens poetas e a criação da musa perfeita para Ramón Jiménez, aquela que inspiraria um de seus melhores poemas.



Curtiram? Comentem! Beijos...

Sorteio "O Acordo"

Olá Amigos Passionais!
O Arquivo Passional em parceria com a Editora Paralela sorteará um exemplar do livro "O Acordo", de Elle Kennedy. Confiram a resenha clicando aqui e participem do sorteio!


Regulamento

1) Ter um endereço de entrega no Brasil e seguir o Arquivo Passional no GFC (Google Friend Connect) clicando em "participar desse site" na lateral direita do blog (acessando com uma conta do Google).

2) Preencher corretamente o formulário Rafflecopter.

Após o preenchimento da entrada obrigatória,
serão disponibilizadas várias chances extras (opcionais):

Comentar nas Postagens de Maio e Junho de 2016
Curtir o Arquivo Passional no Facebook | Curtir a Editora Paralela no Facebook
Seguir no Twitter | Twittar a frase promocional | Adicionar no Google+
Compartilhar a Promoção no Facebook ou Google+

a Rafflecopter giveaway
Inscrições até 15/06/2016 * Resultado até 20/06/2016

O vencedor será avisado por e-mail e terá 72 horas para retornar o contato. O prêmio será enviado pela EDITORA PARALELA em até 60 dias. Será responsabilidade do ganhador fornecer seu endereço corretamente e assegurar-se de que haja alguém em casa para receber a encomenda. Não nos responsabilizamos por danos, demora ou extravios durante o transporte. Esta atividade é de caráter exclusivamente cultural e a participação é voluntária e gratuita. Ao se inscrever, o participante declara concordar com as regras aqui descritas.

Boa sorte e beijos...

[Resenha] O Acordo

O Acordo - Elle Kennedy

O Acordo - Elle Kennedy
Série Off-Campus - Livro 01
Sinopse - Editora Paralela - 2016 - 360 páginas


“O Acordo” é um romance new adult escrito pela canadense Elle Kennedy. A autora possui mais de quarenta obras publicadas no exterior e é best-seller nos Estados Unidos, mas essa é a sua primeira publicação aqui no Brasil. O livro pertence a uma série que se passa em ambiente universitário e cada volume é independente, apresentando a história de um casal diferente.

Quando recebi a prova do livro antecipada da Editora Paralela para resenha, achei que esse seria apenas mais um romance leve e “hot”, composto por um divertido jogo de sedução. Eu não estava preparada para ser surpreendida com uma história tão envolvente e profunda, que equilibra perfeitamente elementos dramáticos, românticos, sensuais e divertidos!

Os protagonistas Hannah e Garrett são estudantes que frequentam a mesma universidade, mas que habitam “tribos” diferentes: ela curte a companhia do pessoal da música e ele, anda com a galera do esporte. Quando Garrett se dá mal numa prova de filosofia e descobre que Hannah foi a única aluna da turma a gabaritar a prova, “mete na cabeça” que ela precisa lhe dar aulas particulares. O problema é que Hannah não está interessada no assunto, pelo contrário, suas energias estão direcionadas para os ensaios de uma apresentação de música importante que fará em breve, e que poderá lhe render um auxílio complementar para a bolsa de estudos que já possui. Mas Garrett é esperto, persistente, e descobre um jeito de conseguir o que precisa de Hannah, convencendo-a de que conviver com ele é uma boa forma de chamar a atenção de Justin, o carinha pelo qual ela cultiva uma paixonite, mas que nunca deu bola pra ela. Assim, “o acordo” é selado: Hannah ajudará Garrett a estudar para a prova de recuperação de filosofia e, em troca, os dois sairão juntos para tentar atrair o interesse de Justin. Mas é claro que com o tempo tudo pode mudar, principalmente quando uma incrível afinidade revela-se entre Hannah e Garrett, que passam a questionar suas escolhas e os seus desejos.

Vocês podem pensar “acho que já ouvi essa história antes”, mas acreditem que a frase “não se deixem enganar pelas aparências” me veio à mente mais de uma vez durante a leitura desse livro, pois, assim como a sinopse não entrega tudo logo de cara, os personagens também não são o que parecem ser numa primeira olhada. Aos poucos percebemos que a atitude despojada e brincalhona de Garrett, que nos rende boas risadas durante a história, esconde um jovem marcado por uma criação à base de maus tratos e abuso moral por parte de pai. Por outro lado, o comportamento socialmente discreto de Hannah, abriga um trauma profundo sofrido durante sua adolescência. E o melhor de tudo, na minha opinião, é que essa porção dramática da história não domina a trama, me agradou demais a forma como a autora conseguiu tratar de temas sérios sem “apelação”. Garrett e Hannah passaram por coisas difíceis que moldaram de certa forma suas personalidades, mas não são reféns de seus passados, eles estudam, trabalham, sonham... seus medos não são capazes de detê-los e o sentimento do leitor para com eles não é de piedade, mas de respeito em reconhecimento à coragem necessária para que eles tocassem suas vidas. Eles são extremamente reais para nós durante a leitura.

Outro aspecto que me deixou imensamente feliz em “O Acordo”, é que as cenas sensuais nele contidas acontecem na hora certa, e com um propósito que colabora para enriquecer o enredo. Nessa história, o sexo aparece como consequência da confiança no parceiro, como manifestação de carinho e amor, como um elo que fortifica o casal e que é capaz de curar antigas feridas. Não quero me estender nessa questão para não soltar um spoiler, mas foi lindo acompanhar a transformação que Hannah e Garrett experimentaram ao compartilhar a intimidade.

Os próximos volumes da série trarão os amigos de Garrett como protagonistas, e mal posso esperar para conhecer as histórias de Logan, Dean e Tucker. Adorei o estilo ao mesmo tempo intenso e divertido de Elle Kennedy e espero poder muitos outros livros da autora!

Série Off-Campus

(Romances universitários independentes)

1. O Acordo (2016) c/ Garrett Graham
2. The Mistake* c/ John Logan
3. The Score* c/ Dean Di Laurentis
4. The Goal* c/ Tucker
* ainda não publicados no Brasil


Clique abaixo para concorrer a um exemplar do livro:
Sorteio “O Acordo”


Essa leitura foi uma cortesia da Editora Paralela
Aguardamos seus comentários! Beijos...