[Resenha + Vasculhando] O Lago das Sanguessugas

O Lago das Sanguessugas - Lemony Snicket

O Lago das Sanguessugas - Lemony Snicket
Desventuras em Série - Livro 03
Sinopse - Editora Seguinte - 2001 - 192 páginas


“O Lago das Sanguessugas” era o volume de “Desventuras em Série” que eu estava mais ansiosa para ler, pois, no filme, sempre adorei a parte em que os órfãos Baudelaire vão morar com a tia Josephine, uma mulher medrosa que vive perto de um lago bem grande, com algumas grutas em volta e áreas habitadas por sanguessugas.

Violet, Klaus e Sunny enfrentam alguns obstáculos morando com Tia Josephine, um deles é não poder comer nada quente (ela acha que o fogão vai explodir), não encostar na maçaneta da porta (que pode quebrar e cegar alguém), dormir com latas empilhadas debaixo da janela do quarto (para alertar os irmãos caso alguém esteja invadindo a casa durante a noite), etc. Viver com alguém que sente tanto medo e tem tantas limitações é realmente frustrante, mas é bem melhor do que viver com Conde Olaf, não é?

Mas esse sossego não dura muito, já que Tia Josephine encontra Conde Olaf no mercado, ou melhor, o Capitão Sham (um novo disfarce para o vilão dessa série), que trabalha numa locadora de barcos e logo “se apaixona” por tia Josephine. É claro que existem más intenções por trás desse “amor” e os Baudelaire sabem disso, mas como sempre, tia Josephine não acredita neles, afinal Conde Olaf tem uma tatuagem de um olho no tornozelo, enquanto Capitão Sham usa uma perna de pau, eles não podem ser a mesma pessoa. Mas são.

E agora, além de ficarem de olho no Capitão Sham, eles também precisam se preocupar com um furacão que se aproxima do Lago Lacrimoso. Certamente isso se tornará uma aventura repleta de enigmas, barcos e sanguessugas.

“Desventuras em Série” já entrou para a minha listinha de séries do coração (tanto a literária quanto a de TV), bem como seus personagens, que a cada volume eu amo mais. Acho que o mais legal (e o que sempre fico esperando para ver) são os disfarces do Conde Olaf, a gente pode até não gostar dele, mas temos que admitir, ele tem criatividade!

Adorei a ambientação nova: uma cidade pequena à beira de um grande lago, uma tutora que tem uma casa em cima de uma montanha, construída quase em cima do lago (que medo), isso deu um clima muito legal para a trama e os obstáculos enfrentados pelos irmãos exploraram muito bem todos esses elementos.

Não gostei muito da Tia Josephine, mas senti muita empatia por ela em dois momentos: quando contou a história de seu marido (foi muito interessante saber de seu passado) e no fim no livro, numa cena em particular narrada com bastante sentimentalismo e de uma forma diferente das inúmeras desgraças descritas nesta série.

Adorei as invenções da Violet (que sempre são muito criativas) e fiquei surpresa com a esperteza da Sunny nos últimos capítulos. E como a cada livro a série melhora, mal posso esperar para ler os próximos, sei que Olaf e seus comparsas ainda vão aprontar muito. Recomendadíssimo!

Desventuras em Série


4. Serraria Baixo-astral
5. Inferno no Colégio Interno
6. O Elevador Ersatz
7. A Cidade Sinistra dos Corvos
8. O Hospital Hostil
9. O Espetáculo Carnívoro
10. O Escorregador de Gelo
11. A Gruta Gorgônea
12. O Penúltimo Perigo
13. O Fim

Vasculhando em quotes


Vasculhando em quotes se trata de vasculhar um livro e separar quotes relativos a alguns assuntos (sem spoilers), para dar a vocês uma noção do clima da história através dos detalhes - aparentemente superficiais - que fazem toda a diferença no contexto geral.

Cenário


“(...) no espaço além do cais, estava a bolha escura que era o Lago Lacrimoso, bolha colossal e negra, como se um monstro se erguesse acima dos três órfãos, projetando sobre eles uma sombra gigantesca.”

 “A biblioteca não era quadrada nem retangular, como a maioria das salas, mas curva, num formato oval.”

Moda


“Além de às vezes se apresentar com um feio paletó amarelo, um corretor pode, na pior das hipóteses, mostrar-lhe uma casa de que você não goste, de modo que é inteiramente irracional morrer de medo de corretores.”

“Diante dela estava um homem alto e magro, com um gorro azul de marinheiro na cabeça e uma venda negra cobrindo o olho esquerdo.”

 “Quando Violet vestira o casaco para sair e enfrentar o vento e o frio, sentira um volume no bolso.”

Veículos


“Naquele momento em particular, ela pensava como poderia aprimorar a barca do lago para que esta deixasse de soltar fumaça no céu cinzento.”

“O Sr.Poe deu algum dinheiro ao motorista do taxi, e se despediu das três crianças com um gesto enquanto o carro se afastava do cais para enveredar por uma rua cinzenta de paralelepípedos.”

“(...) como se os Baudelaire viajassem em algum ônibus macabro que só parasse em estações de injustiça e desgraça.”

“Meu nome é capitão Sham, e estou à frente de um novo negócio: alugo barcos no cais de Dâmocles.”

“De fato, à medida que o barco foi chegando cada vez mais perto, as crianças puderam distinguir o Farol Lavanda e a entrada da gruta vizinha (...).”

Gastronomia


“‘Vejam só o que eu trouxe para vocês’, disse o Sr.Poe com um largo sorriso, estendendo um saquinho de papel. ‘Balas de hortelã-pimenta!’”

“O que os Baudelaire pensavam sobre gramática (...) era o mesmo que pensavam sobre, por exemplo, pudim de pão: legal, mas nada que merecesse muito estardalhaço.”

“Nunca preparo nada quente porque tenho medo de acender o fogão; ele pode explodir e pegar fogo. Fiz um caldo frio de pepinos.”

“Não percebi que era uma ocasião triste. Nesse caso, permitam-me recomendar-lhes os Cheesebúrgeres Chistosos. Os picles, a mostarda e o ketchup compõem um rosto sorridente no alto do sanduíche (...)”

“Para seu desânimo, as balas eram do tipo que vêm embrulhadas, cada uma, num pedaço de celofane.”

Essa leitura foi uma cortesia da Editora Seguinte.
Aguardamos seus comentários! Beijos...

Vitrine Harlequin * Março e Abril

Olá Amigos Passionais!!! Hoje mostrarei os principais lançamentos de março e abril da Editora Harlequin. As capas à esquerda correspondem aos lançamentos de março, e as da direita, aos de abril. Todas as sinopses vocês podem encontrar neste link e os livros de março já estão à venda nas bancas e no site da editora. Confiram:






Curtiram? Comentem! Beijos...

[Divulgação] Série Hollows * Editora Pavana


Olá Amigos Passionais! Hoje trago uma dica imperdível: a Editora Pavana acaba de lançar "A morte não é o bastante", terceiro volume da Série Hollows, histórias de Fantasia Urbana repleta de ação e seres sobrenaturais, protagonizada pela bruxa Rachel Morgan. Quem ainda não conhece a série pode ler minha resenha de "Marcada para morrer" (aqui) e conferir abaixo as fotos e sinopses dos volumes já lançados no Brasil:

Marcada para morrer - Primeiro volume da série Hollows, Marcada para morrer traz a caça-recompensas mais sexy de toda a cidade de Cincinatti: a bruxa Rachel Morgan. Num mundo onde criaturas como vampiros, pixies e trasgos convivem abertamente com humanos, a tensão não poderia ser maior. Cheia de atitude, Rachel está com a cabeça a prêmio e precisa fazer de tudo para sobreviver enquanto tenta desmascarar um misterioso chefão do tráfico de biodrogas. Para isso, conta com a ajuda de Ivy, uma sedutora vampira, e Jenks, um pixie resmungão. Uma série divertida e cheia de ação, há mais de uma década na lista de livros mais vendidos dos Estados Unidos. Skoob

Na mira do serial killer - Depois de sobreviver a vários perigos em Marcada para morrer, Rachel Morgan vê sua vida novamente em perigo quando um serial killer de bruxos começa a atacar ferozmente em sua cidade. Uma sequência ainda melhor que o primeiro livro, Na mira do serial killer traz muita diversão, energia e malícia, sem deixar os leitores largarem o livro nem por um instante. Skoob

A morte não é o bastante - Rachel Morgan é uma bruxa talentosa, sexy e durona. Ela precisa controlar uma perigosa e mortal guerra de poder no submundo de Cincinatti enquanto tenta se livrar de mais um acordo com o poderoso demônio Algaliarept, que poderá a condenar a uma eternidade de sofrimento. Ao mesmo tempo, seu namorado está cada vez mais distante, abrindo espaço para Kisten, um vampiro sedutor e misterioso que teima em conquistá-la. Cheio de ação, humor e momentos imprevisíveis, o livro agrada em cheio os fãs de ficção fantástica. A morte não é o bastante é o terceiro livro da série Hollows. Skoob



Curtiram? Comentem! Beijos...

[Resenha] Simplesmente o Paraíso

Simplesmente o Paraíso - Julia Quinn

Simplesmente o Paraíso - Julia Quinn
Quarteto Smythe-Smith - Livro 01
Sinopse - Editora Arqueiro - 2017 - 272 páginas


“Simplesmente o Paraíso”, primeiro livro da série “Quarteto Smythe-Smith”, nos apresenta a história de amor de Honoria Smythe-Smith e Marcus Holroyd. Apesar de essa nova série ser um spin-off de “Os Bridgertons” (resenhas aqui), pode ser apreciada tranquilamente por aqueles que não leram a série anterior, já que as meninas Smythe-Smith apareceram em alguns recitais, mas não tiveram participação ativa nos enredos anteriores.

Marcus Holroyd, o único herdeiro do conde de Chatteris, só teve a oportunidade de fazer seu primeiro amigo aos doze anos, quando foi enviado para educar-se no Eton College e conheceu Daniel Smythe-Smith, seu colega de quarto. A partir de então, Marcus passou todas as férias escolares na companhia de Daniel e foi em Whipple Hill que conheceu Honória, a irmã mais jovem de Daniel, de apenas seis aninhos e uma forte determinação em seguir os garotos por toda a parte. Muito tempo se passou, Marcus e Daniel ficaram adultos e, quando Daniel precisou afastar-se involuntariamente de Londres, Marcus prometeu ao amigo que cuidaria para que Honoria não se casasse com a pessoa errada. Assim, durante a primeira temporada de Honoria, ele a observou de longe e espantou os admiradores que poderiam pedir a mão da jovem em casamento.

Honoria Smythe-Smith cresceu rodeada de irmãos e primos, mas agora que suas irmãs se casaram ela sente-se solitária e sua mãe nunca mais foi a mesma desde que Daniel foi embora. Seu sonho é construir a própria família, mas por algum motivo vem encontrando dificuldades em “emplacar” um flerte com qualquer cavalheiro interessante. Por isso, nessa temporada que está passando no interior de Cambridge com suas primas e amigas, Honória está mais determinada do que nunca a encontrar um marido. É justamente essa determinação que lhe causa um grande problema, pois, ao colocar em prática um plano para “fisgar” certo pretendente, acaba machucando seu amigo Marcus, e o ferimento aparentemente banal será o veículo pelo qual o destino irá atuar, juntando Honoria e Marcus numa convivência que lhes revelará sentimentos até então escondidos em seus corações.

Todos que leram a série Os Bridgertons, já ouviram falar do Quarteto Smythe-Smith e agradeceram aos céus o fato dos livros não serem musicados, pois foram poupados de escutar os piores recitais que Londres presenciou no século XVII. Agora Julia Quinn nos presenteia com a história dessas moças, unidas por um talento musical duvidoso, o amor à família e a vontade de pertencer a um grupo, mesmo que desafinado.

Em “Simplesmente o Paraíso”, a história se passa sem grandes acontecimentos até a metade do livro, e eu estava gostando apenas moderadamente da leitura, pois, embora a narrativa da Julia Quinn seja sempre deliciosa e divertida, o enredo não apresentava muitas novidades. Na verdade não há um conflito que impeça Marcus e Honoria de ficarem juntos, eles simplesmente são duas pessoas que de alguma forma se amaram a vida inteira, cujos sentimentos foram se transformando conforme se perceberam como homem e mulher. Só que do meio para o final da história, o desenvolvimento do romance entre os protagonistas me fisgou de tal forma, que a última parte da leitura me deixou realmente suspirando, todas as cenas entre o casal, a partir do momento em que se deram conta de seu amor, foram adoráveis e lindas demais, fiquei encantada!

Adorei conhecer a família Smythe-Smith (que é enorme), matar saudades de lady Danbury e sua furiosa bengala (ela é tia-bisavó de Marcus, vejam só!) e da participação especial do maravilhoso Colin Bridgerton (que na ocasião ainda estava solteiro). Percebi que na verdade, os acontecimentos da série “Quarteto Smythe-Smith” não se passam depois da série “Os Bridgertons”, mas paralelamente a ela. Estou bem ansiosa para ler o restante da série e acredito que o próximo volume - “Uma noite como esta” - promete fortes emoções. Julia Quinn nunca me decepciona e é uma das minhas autoras favoritas de Romances de Época.

Quarteto Smythe-Smith



2. Uma noite como esta
3. A soma de todos os beijos
4. Os mistérios de Sir Richard


Essa leitura foi uma cortesia da Editora Arqueiro
Aguardamos seus comentários! Beijos...

[Escapadinha da Elis] Querer e poder

Olá Amigos Passionais!
Ganhei esse livro de presente, não resisti e escapei!

A Escapadinha acontece quando furamos a fila de leitura dos livros que recebemos de parceria para devorar um livro que compramos, ganhamos ou trocamos, ou reler um queridinho da estante, e trazemos um pouquinho dessa experiência de leitura para vocês.

Querer e poder (Nora Roberts) - Sinopse: O milionário Jolley Folley sempre sofreu com o estigma de ser um excêntrico incorrigível. De sua numerosa família, apenas dois sobrinhos o compreendiam: Pandora McVie e Michael Donahue. Apesar de amarem o tio, os dois não se suportam. Ainda assim, ao serem nomeados os únicos herdeiros da imensa fortuna de Jolley, se tornam reféns de seu último desejo: viverem em seu castelo durante seis meses sem ficarem separados um do outro por mais de 48 horas. Pandora e Michael não se importariam de abrir mão da herança, mas preferem que os abutres da família não se tornem os beneficiados. E, em meio a insultos e provocações, além de uma série de sabotagens misteriosas, acabam descobrindo que a ideia do velho Folley talvez não fosse tão ruim...


E​m "Querer e Poder", Nora  Roberts parte de uma premissa totalmente clichê, para nos entregar uma história gostosa de acompanhar, graças aos carisma de protagonistas fortes e cheios de personalidade, que quando juntos alternam reações de irritação e tesão, provando que o excêntrico tio Jolley estava certo em juntar os dois briguentos que ele mais amava sobre o mesmo teto. Pandora é uma designer de joias e Michael é roteirista de seriados e programas de tv, ambos exploram suas veias artísticas nas carreiras escolhidas e, da mesma forma, não hesitam ao explorar os limites da paciência um do outro ao longo do semestre que passam juntos. Além disso, temos o restante da família (que foi trolada no testamento) tentando sabotar a estadia dos primos, bem como um mordomo e uma cozinheira fofos torcendo - e articulando - em favor da união do casal. A química do casal é adorável e graças a essas interferências externas, os dois ficam cada vez mais grudadinhos.​ Uma história previsível e despretensiosa, perfeita para relaxar, não é o melhor livro da autora, mas gostei mesmo assim.

Beijos...