[Resenha] Heresia, de S.J. Parris

Capa do livro "Heresia", de S.J. Parris

Heresia * S.J. Parris * 2011
Editora Arqueiro * 360 páginas


Sinopse


Inglaterra, 1583: o país enfrenta um período conturbado, marcado por conspirações para derrubar a rainha Elizabeth, que é protestante. Muitos de seus súditos estão insatisfeitos com o governo e anseiam pelo retorno do país à religião católica. 
Em meio a esse clima de conflitos religiosos, o monge italiano Giordano Bruno chega a Londres, tentando escapar da Inquisição, que o acusou de heresia por sua crença num Universo heliocêntrico. O filósofo, cientista e estudioso de magia logo é recrutado pelo chefe do serviço de espionagem real e enviado a Oxford. 
Oficialmente, ele vai participar de um debate sobre as teorias de Copérnico, mas, em sigilo, deve se infiltrar na rede clandestina dos católicos e descobrir o que puder sobre um complô para derrubar a rainha. No entanto, quando um dos membros mais antigos de Oxford é brutalmente assassinado, a missão secreta do filósofo é desviada de seu curso...


Resenha



A narrativa de Heresia inicia-se em 1576, no Mosteiro de San Domenico Maggiore na Itália, quando, aos 28 anos, o frei Giordano Bruno é flagrado lendo obras consideradas heréticas, e consegue fugir antes de ser preso e interrogado pela Inquisição, sendo então excomungado pela Igreja Católica e declarado um Herege.

"Eu não temia morrer por minhas convicções, contanto que já houvesse determinado por quais delas valia a pena morrer." 

A história avança para 1583 na França, quando Bruno, agora protegido do rei francês Henrique III, inicia uma viagem para Londres acompanhado da comitiva real francesa. Em Londres, ele recebe uma convocação do Ministro inglês Sir Francis Walsingham, que o recruta para uma missão. 

Bruno parte para a Universidade de Oxford com quatro objetivos, sendo um oficial, um extra-oficial, um de sobrevivência e um pessoal:

O objetivo oficial é participar de um debate sobre as teorias de Copérnico. 

O extra-oficial é praticar espionagem a pedido do Ministro de Estado da rainha protestante Elizabeth, da Inglaterra, detectando se há traidores católicos infiltrados na Instituição. 

O de sobrevivência é afastar-se da Inquisição, aproveitando que o Santo Ofício não tem jurisdição no reino inglês. 

E o motivo pessoal de Bruno é encontrar o livro perdido do Sumo Sacerdote egípcio Hermes Trimegisto, que acredita estar em uma das bibliotecas de Oxford.
"Penetrarei nos confins do Universo, para além das esferas (...) por meio do conhecimento secreto contido no livro perdido do sábio egípcio Hermes Trimegisto, o primeiro a compreender esses mistérios." 
Em sua primeira noite em Oxford, acontecem duas coisas que mudam totalmente o foco de Bruno durante sua visita. Primeiramente conhece Sophia, a jovem filha do diretor, por quem começa sentir uma grande admiração.
"Então, aquela era Sophia Underhill, e compreendi o desejo urgente de seu pai de querer lhe arranjar um casamento. A moça tinha um rosto felino marcante, de olhos castanhos-claros penetrantes, e sua presença no colégio devia ser uma dolorosa fonte de distração para os rapazes que tentavam concentrar a mente nos livros."
E durante essa mesma madrugada, após o jantar na casa do diretor, Bruno é acordado por latidos e gritos, e acaba por testemunhar a horrível morte de um homem atacado por um cão de caça que invadiu o local. Bruno deduz que o ocorrido não foi um acidente, e começa uma investigação particular para descobrir o que havia acontecido. Esse foi apenas o primeiro de uma sequência de crimes.

Após o prólogo, e um salto no tempo de sete anos, toda a ação acontece em menos de três meses, incluindo o epílogo. A narrativa é em 1ª pessoa, feita pelo próprio Giordano Bruno. Durante as investigações e apuros por que passa, ele alterna momentos de reflexão, profunda inteligência e humor, e tem o pensamento bem irônico.
"Assumi uma expressão devota. Nunca havia contado uma mentira tão pouco convincente. No lugar dele, não acreditaria em mim nem por um segundo."
"Meu maior medo era derrubar a vela e pôr fogo na roupa. Escapar da fogueira da Inquisição e me queimar acidentalmente seria o cúmulo da ironia, pensei."
O clima de tensão religiosa está presente a todo momento, e os olhares furtivos e atitudes suspeitas imperaram entre os professores da Universidade. Bruno desconfia de todos, e tem que lidar também com a desconfiança de todos em relação à ele.
"Mais uma vez, senti aquela fisgada peculiar de solidão que só os exilados conhecem de verdade: a sensação de que eu não fazia e nunca mais faria parte de grupo algum." 
Em certos momentos, Bruno reflete sobre seu papel de espião infiltrado a serviço da rainha, e pensa se será capaz de delatar os católicos que encontrar, condenando-os à morte certa.
"Jogar politicamente com a vida alheia era parte do caminho para a promoção social, mas essa, como eu estava começando a compreender, era a verdadeira heresia." 
A ambientação histórica no século XVI é formidável. Podemos nos imaginar a todo momento caminhando entre as ruas e vielas de Oxford, numa atmosfera sombria e muito úmida (chove o tempo todo) que se reflete também no espírito dos personagens. Porém, a autora é bem detalhista em suas descrições, o que torna a leitura um pouco lenta. Para mim, isso atrapalhou em certos momentos, mas há quem adore essa riqueza de detalhes. 

Senti falta de um aprofundamento maior das teorias filosóficas e teológicas de Giordano Bruno  (que é um personagem histórico real - saiba mais sobre sua vida aqui e sobre sua filosofia aqui), o pouco que foi descrito deixou um gostinho de quero mais, pois a trama centrou-se mais na solução dos crimes em si, mas o suspense está presente o tempo todo nos deixando ansiosos pelo final da história.

"E essa teoria secreta, mais ousada do que qualquer outra que alguém já houvesse se atrevido a formular, era conhecida apenas por mim: a de que o Universo não tinha um centro fixo, mas era infinito, e que cada uma das estrelas que eu via brilhar nesse momento no negro veludo do céu era seu próprio sol, cercado por inúmeros mundos - nos quais, naquele exato instante, seres iguais a mim talvez também estivessem observando o firmamento e se perguntando se existiria algo além dos limites de seu saber." 
Apesar dessa história ter um final bem delineado, dá margem à uma continuação. Pesquisei e fiquei sabendo no Skoob que esse livro realmente faz parte de uma trilogia. Essas são as capas estrangeiras, a continuação será publicada em breve no Brasil. Recomendo para os amantes de um bom suspense histórico investigativo!!!


Heresia
Sacrilégio
Profecia


Espero que tenham gostado, comentem muito!
Beijos... Elis Culceag.

19 comentários

  1. Ei, Elis, o livro parece ser bom, mas não sei se estou no momento certo para esse tipo de leitura. Acho que preciso de coisas mais leves! 
    Mas dica anotada!

    Beijos!
    Inara | "Ler, Dormir, Comer..."

    ResponderExcluir
  2. Elis! Adorei a resenha! Já estava curiosa sobre este livro ,mas não sabia que se passava em uma época tão conturbada pela religião. Adoro livros que abordam a história, inclusive qd tem mto suspense no meio!!!
    Eu quero ler!! o/

    Beijos flor!
    Danni
    Garotas e Livros

    ResponderExcluir
  3. Elis, com certeza ler com pressa não dá. Adorei sua resenha, principalmente pelo diferencial das capas. Eu amo capas, kkk e quotes também.
    Bjos!!

    De sua parceira forever.

    Cida

    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  4. Oi Inara!
    Obrigada pela visita!
    Beijos... Elis Culceag.

    ResponderExcluir
  5. Oi Danni!
    O conflito religioso vivido na época está presente em cada página do livro, dita o modo de vida daquelas pessoas de forma decisiva. Você vai gostar! Beijos... Elis.

    ResponderExcluir
  6. Oi Cida! A capa da Arqueiro é linda, mas também amei essas que achei na internet. E quanto aos quotes, enchi a postagem deles, tava difícil de escolher rsrsrs...
    Beijos parceira! Elis Culceag.

    ResponderExcluir
  7. Elis,
    Adoro livros com conteúdo histórico!! Este está na lista dos meus desejados... agora mais, pois ainda não tinha lido nenhuma resenha sobre ele!!!
    Amo, simplesmente amo resenhas com passagens do livro, acho que enriquecem o texto e instigam o leitor...

    A capa, prefiro a nossa, acho muito mais convidativa!!!
    Parabéns pela bela resenha!!!

    Beijos
    Chrys
    Todas as coisas do meu mundo

    ResponderExcluir
  8. Oi Chrys!
    Esse livro tem passagens tão lindas que foi impossível não citá-las, que bom que gostou! A capa é linda mesmo, acerta em cheio no clima sombrio e frio que o Bruno encontra em Oxford. Adorei a visita. Beijos... Elis.

    ResponderExcluir
  9. cacholaliteraria9 de junho de 2012 13:48

    Oi, Elis!
    Eu gosto muito de livros com essa temática. Conflitos religiosos me fascinam.Principalmente, aqueles que são ditados como dogmas durante toda a nossa existência. Tenho muita vontade de comprar este livro, só não tive a oportunidade ainda. Mas, sua resenha confirma o quanto o livro é valioso.
    Adorei a resenha. Magnífica como sempre.
    Bjs, querida! E um ótimo fim de semana!

    ResponderExcluir
  10. Muito bom este livro, com certeza vale a leitura.
    BJs, Rose.

    ResponderExcluir
  11. Oi Elis =)
    Eu estava ansiosa para ler a sua resenha... Desde aquele dia em que você comentou a respeito deste livro.
    Amei a temática e achei a capa linda.
    Ótima resenha, me deixou ainda mais interessada.

    Beijocas, querida.
    http://artesaliteraria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Oi Zilda!
    Obrigada amiga, sua presença e opinião é que são sempre valiosas...
    Beijos... Elis.

    ResponderExcluir
  13. Oi Rafa!
    Lembrei que você tinha comentado no Correio Passional que iria ler a resenha.
    Que bom que gostou, obrigada pela presença constante! Beijos... Elis.

    ResponderExcluir
  14. Saleta de Leitura9 de junho de 2012 22:51

    Elis
    Que história cheia de acontecimentos. assasinatos, mistérios, suspense e claro que sempre tem que haver um toque romântico nada melhor que Sophia. Concordo com você que muitos detalhes torna a leitura demorada e muitas vezes não é de intresse do leitor. Isso acontece comigo também.
    Adorei a resenha e saiba que você tem uma forma especial de narrar as suas leituras que nos contagia ew dá vontade de ler,

    Beijos
     

    ResponderExcluir
  15. Obrigada Irene! (é a Irene ou a Vivian?)
    Fico muito feliz que tenha gostado :D
    Beijos e bom domingo!
    Elis Culceag.

    ResponderExcluir
  16. Das 4 capas, gostei mais da brasileira, tenho queda por azul, rs.
    Ao lê o post não fiquei muito curiosa sobre o livro, talvez em função de ter um "Q" de religião e morte em nome dela. Mas para quem gosta pode ser uma bela pedida.

    ResponderExcluir
  17. Oi Marryhelen!
    A capa em azul é linda mesmo, ainda mais pessoalmente.
    Obrigada pela visita. Bjs... Elis.

    ResponderExcluir
  18. Adoro historias com assasinatos, mistérios, suspense! xD
    Parece ser interessante! *-*
    Não sei pq mas me lembra o filme O PADRE! hehehe

    ResponderExcluir
  19. Oi Danielle!
    Deve ser a atmosfera sombria... ainda não assisti esse filme, mas meu marido disse que é muito bom. 
    Obrigada pela visita, beijos... Elis.

    ResponderExcluir

Esse espaço também é seu!
Vou adorar saber a sua opinião passional :)
Seu comentário será publicado em no máximo 24 horas.
Beijos!