[Resenha] O Torreão


O Torreão - Jennifer Egan
Sinopse - Editora Intrínseca - 2012 - 240 páginas


Em "O Torreão", um neogótico da natureza humana, logo no anverso da primeira página nos deparamos com menções de diversas mídias sobre a obra. Como Jennifer Egan é jornalista e colunista do The New York Times, pensamos “assessoria potente e puro rasgamento de seda”, então você lê pra crer e... É tudo verdade!

“... Fantasia e realidade, emoção e perigo, páginas vertiginosamente inventivas, inteligente, desafiador, empolgante, um livro que vale a pena ser lido.”

Egan penetra no “não dito”, nos segredos e culpas escondidas na memória do carismático e irreverente Danny, que ao explorar os sinistros e úmidos caminhos do castelo, irá nos conduzir aos limites sombrios de suas aventuras e desventuras.

“Alto: ele estava no meio de um fim de mundo desgraçado. Era uma coisa radical e Danny gostava de coisas radicais. Elas o distraiam.” 

Ao adentrar aos limites do Torreão, que muitas vezes associa-se ao próprio Danny, percebemos que toda a ambientação descrita, relaciona-se à angustia de seu passado secreto com seu primo Howie. No entanto, apesar do relato de mistério, suspense e medo vinculado a fantasmas do inconsciente, mescla-se uma ironia sarcástica e mordaz, traço marcante da personagem, que não se deixa abater, ergue-se dos escombros, não é corajoso, é ousado, atrevido e cínico. 

“... cheiros que alguma vez o fizeram pensar apenas por um segundo (mas depois esquecer) que a vida normal era fina, era frágil: uma película tênue esticada por cima de uma outra coisa que nada tinha a ver com ela, uma coisa grande, estranha e escura.”

A inventividade e gênio criativo da autora nos surpreende a cada página com esse Danny anti-herói, bipolar e carismático, que monopoliza a narrativa de oito capítulos alegremente saltitando em suas botas da sorte. Os conceitos de “alto” e “verme” que Danny interpõe a determinadas situações são marcantes e inesquecíveis. Ele próprio, um ícone da era da informação com sua “absoluta” e droga adicta necessidade de estar conectado para sentir-se alguém, ou parte de algo, numa paródia entre a rede e a falta de sentido que amplia a solidão contemporânea.

E aí vamos nós, aos caminhos bifurcados da metalinguagem, pois Danny é o fantástico protagonista, mas quem está contando a historia é o enigmático Ray, temos então uma viagem à parte, ou seja, a relação entre abrir as portas da imaginação como uma passagem de primeira classe para a liberdade, pois é do interior de uma prisão que ele escreve.

Nesta construção híbrida, fatos relacionam-se, pessoas, rancores, amores, mulheres, desejos e sonhos aparentemente impossíveis com um desfecho surpreendente e genial.

Embarque para Praga agora mesmo, o Torreão está a sua espera.


Excelente leitura! By .:.

14 comentários

  1. Não é o que estou acostumada a ler, mas me pareceu o tipo de leitura que te prende, amei a indicação.
    Rafa
    Blog Melody
    http://rafaacarvalho.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Renata (do blog Escuta Essa)21 de outubro de 2012 18:32

    Parace ser bem interessante essa leitura ;)
    Gostei da resenha :)


    Beijinhos
    Renata
    http://escutaessa.blogspot.com.br
    http://www.facebook.com/BlogEscutaEssa
    @blogescutaessa

    ResponderExcluir
  3. Este livro já está na minha programação de 2012, fui conquistada pela sinopse, e lendo esta resenha percebo que terei uma ótima leitura. Rosem você deveria ser escritora, você escreve muito bem.


    Bjos!!

    Cida

    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  4. Wôw! Adorei a resenha!
    Vejo sempre esse livro exposto nas livrarias e nunca tive a curiosidade de pegá-lo pra xeretar. Mas fiquei interessada em todas essas mensagens escondidas nas entrelinhas...
    beijão!
    http://verbo-ler.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Para
    o mundo, vc pode ser mais uma pessoa, mas para uma pessoa vc pode ser o mundo
    dele.


    Tenha
    uma semana abençoada, filha do Senhor.


    Bju


    Toninha

    ResponderExcluir
  6. Oi Rosem! Oi Elis!
    Essa é a mesma autora de A visita cruel do tempo, né?
    Eu não sou muito fã dessa capa, acho estranha. Mas eu curti a história e acho que, assim que tiver oportunidade, estarei lendo.
    Parabéns pela resenha :)
    Beijos ;*
    http://coisasdemeninasarteiras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Excelente resenha!
    A capa não é nada atrativa, mas a história parece ser boa!!!


    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Olá Chrysthie,
    Gracias, foi o Danny que me inspirou.
    Bjuss!

    ResponderExcluir
  9. Oi Neyla,
    Sim é ela, excelente autora e um enredo de extrema criatividade.
    gracias!
    Bjos!

    ResponderExcluir
  10. Ola Toninha,
    que a sua seja repleta de luz!
    bjo!

    ResponderExcluir
  11. Oi Lia,
    tem várias mensagens nas entrelinhas, é genial, amei.
    Bjussss!

    ResponderExcluir
  12. Oi cida,
    no mínimo surpreendente, quanto a escrever, simmmm, é meu futuro próximo.
    Bjos!!

    ResponderExcluir
  13. Ola Renata,
    muito interessante, gracias .
    Bjks!

    ResponderExcluir
  14. Oi Rafa,
    Se você for curiosa, devora-o de um só folego como eu quase fiz, em breve outras leituras bacanas.
    Bjo!

    ResponderExcluir

Esse espaço também é seu!
Vou adorar saber a sua opinião passional :)
Seu comentário será publicado em no máximo 24 horas.
Beijos!