[Resenha] Mar da Tranquilidade


Mar da Tranquilidade - Katja Millay
Sinopse - Editora Arqueiro - 2014 - 368 páginas


Incrivelmente lindo. Incrivelmente certo. Incrivelmente perfeito.

Aos 15 anos, Nastya Kashnikov passou por um trauma extremo que afetou seu corpo, sua alma e o futuro promissor que teria pela frente. Durante um ano, tudo o que ela pôde fazer foi recuperar-se das feridas externas e tentar se lembrar do que aconteceu. Mas quando as lembranças retornaram, Nastya passou a sofrer em silêncio, pois não sentia-se capaz de relatar à família ou à polícia o que ocorreu naquela tarde tenebrosa. Aos 17 anos, cansada de receber olhares de compaixão da cidade inteira e sofrendo pressão da família para retomar sua vida, Nastya mudou para a cidade vizinha, e foi morar com sua tia Margot.
"Sempre planejei contar a verdade. Eu só precisava de um tempo. Precisava ter a chance de encontrar as palavras certas e a coragem para dizê-las. Não fiz um voto de silêncio. Não fiquei muda subitamente. Apenas não encontrava as palavras..."
Josh Bennett também tem 17 anos e vive isolado de todos. Mas não é exatamente um isolamento auto-imposto, desde que ele tinha 8 anos de idade, todos os membros da sua família foram morrendo, até que sobrou apenas ele. Josh não escolheu estar sozinho, mas foi isso que aconteceu. Desde então, o medo de formar novos laços e depois perdê-los é tão grande que Josh prefere não tê-los. A única exceção é seu amigo de infância Drew, que com seu jeitão folgado, espaçoso e irresponsável, sempre foi um amigo fiel e de bom coração. A mãe do Drew também importa-se bastante com Josh, a sra.Leighton é um doce de pessoa e faz questão que ele compareça ao jantar da família todos os domingos.

Quando Nastya começa a frequentar o colégio na nova cidade, ela utiliza maquiagem pesada, veste-se de preto com roupas de "piranha" (como ela mesma diz) e permanece muda, na esperança de que ninguém se aproxime e tente fazer amizade. Ela quer que todos a julguem pela aparência e não olhem para o seu interior. Nessa mesma escola, Josh passa o tempo todo sozinho sem que ninguém o incomode, é como se ele tivesse um "campo de força" ao seu redor que repelisse as pessoas. Uma amizade entre a Nastya e o Josh seria improvável mas, como diria Renato Russo, "Quem um dia irá dizer que existe razão nas coisas feitas pelo coração? E quem irá dizer que não existe razão?".

Nastya me fisgou logo na primeira página, sua narrativa irônica, sincera, mau-humorada e fatalista é estranhamente engraçada. Josh também é "fechadão", mas ele é bem mais prático e menos dramático que a Nastya, os capítulos narrados por ele são realistas e pé no chão, às vezes ele parece mais velho do que realmente é. A alternância da narrativa em 1ª pessoa na voz dos dois personagens é rica e nos proporciona uma gama de emoções diferentes a cada capítulo, além de permitir uma visão mais ampla do relacionamento entre eles, e deles com os demais personagens.

Em situações de luto, de dor, difíceis, e/ou traumatizantes, tanto as pessoas diretamente envolvidas, quanto as que estão em seu entorno, geralmente não sabem como agir, o que fazer ou o que dizer, e a autora foi precisa ao expor em sua história, através dos personagens principais e coadjuvantes, toda a frustração, raiva, sensação de culpa, constrangimento e sentimentos de impotência passíveis do ser humano em situações como essas. E o genial é que tudo isso foi feito sem deixar a história pesada, pelo contrário, a leitura é totalmente fluida e nela encontramos personagens que despertam ou carregam lindos sentimentos de amizade, confiança, respeito, amor e esperança, auxiliares preciosos a todo tipo de cura.

O enredo é inteligente e, aliado à delicada construção dos personagens, nos proporciona uma enxurrada de empatia. É impossível não torcer para que o Josh e a Nastya encontrem alguma felicidade na vida. Por outro lado, se já sabemos que a história do Josh é triste, o passado da Nastya é uma incógnita que queremos (e precisamos!) desvendar. A expectativa (e o medo) de descobrir o que aconteceu com ela é tão grande quanto a necessidade de saber se ela irá conseguir superar o trauma sofrido.

A história criada por Katja Millay possui uma ambientação simples, as cenas acontecem principalmente na escola, na sala de jantar do Drew e na garagem do Josh, mas o conteúdo humano trabalhado é tão significativo e envolvente, que é impossível parar de ler e mais difícil ainda acreditar que este seja o primeiro livro escrito pela autora. A leitura é um verdadeiro mergulho num oceano profundo e denso, onde passamos a conhecer tão bem os personagens que a volta à superfície já nos provoca saudades. Preparem seus corações e estejam prontos para se apaixonar ao alcançarem o Mar da Tranquilidade!

Li, amei e favoritei ♥
Recomendo passionalmente!!!
Beijos apaixonados...
Essa leitura foi uma cortesia da Editora Arqueiro.
Aguardamos seus comentários ;)

18 comentários

  1. Ao ler sobre a narrativa de Nastya, me lembrei da Melinda do livro Fale, ela tem uma narrativa bem deprimida, mas é irônica também, e chega a ser engraçada. As duas também são parecidas por esse peso enorme que carregam. Não sei o que aconteceu com a Nastya mas pretendo descobrir em breve. Também torço pela felicidade de Josy e Nastya, antes mesmo de começar a ler a história. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sara! Ainda não li o livro Fale, mas tenho curiosidade. Mar da Tranquilidade é um livro lindo, espero que você possa ler e se encantar :) Beijos!

      Excluir
  2. que enredo bacana, tem tudo para me conquistar!
    gosto dessas história com um romance mais velado, pautado na amizade, no descobrimento de coisas
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há muita beleza na construção do relacionamento deles, você vai amar =)
      Beijos!!!

      Excluir
  3. nossa elis to encantada com a sua resenha, não imaginava que esse livro era assim *u*

    Seguindo o Coelho Branco

    ResponderExcluir
  4. Já estava super curiosa, pois achei a sinopse bem promissora.
    Gosto de tramas que trabalham as emoções de forma densa e profunda.
    Já está na minha lista de próximas leituras.
    Bj!

    ResponderExcluir
  5. Nossa que história linda, parece ser super emocionante, fiquei doida pra ler, já foi pra minha lista de próximas leituras.

    ResponderExcluir
  6. Oi Elis, tudo bem?
    Conforme fui lendo sua resenha, imaginei logo uma narrativa bem densa, mas logo abaixo você desfaz minha impressão, ainda bem.
    Gosto de narrativas bem construídas e que conseguem realmente alcançar o leitor, e pelo visto Mar de Tranquilidade o faz com maestria.
    Quero descobrir qual o que aconteceu com Nastya.

    Beijos.
    Leituras da Paty

    ResponderExcluir
  7. Caramba!!! Agora, pirei mesmo. Eu não sei o que é que eu tenho que gosto de histórias que os personagens tem uma vida sofrida ou então passam a enfrentar um problema muuuuuuuito grande. Quero ler mesmo!!! Falando sério, esse livro já está na minha lista.

    ResponderExcluir
  8. Oi, Elis, tudo bem??
    Eu estou louca para ler esse livro!!
    Será minha próxima leitura, com certeza, principalmente após ler sua resenha!
    A sinopse e essa capa linda já havia me despertado a atenção, tanto que foi uma das minhas solicitações de setembro com a Arqueiro, mas essa foi a primeira resenha que li e amei.
    Adoro esse tipo de narrativa que intercala pontos de vista e dessa temática em que as pessoas precisam superara traumas, se reconstruir, etc. Tenho certeza de que vou amar a história.


    Parabéns pela resenha!

    Beijos,
    Amanda
    http://minhasconfissoesfemininas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Amanda, depois vou querer conferir a sua opinião :)
      Beijos!

      Excluir
  9. Oid, tudo bem?
    Ainda não havia ouvido falar sobre esse livro, porém, ao ler sua resenha, corri atrás de mais informações e fiquei curiosa e tentada a ler.
    Parece ser super interessante e tem uma capa diferente :)

    Parabéns pela resenha, e pelo blog.

    :)

    ResponderExcluir
  10. Ai que maravilha! Tinha certeza que este livro seria bom deste jeito. Falta agora eu ler...
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  11. Oi Elis! Bem que você disse que era lindo, realmente fiquei impressionada pela qualidade da obra, que livro especial, eu fiquei com dó de fechar, dava vontade de ler outra vez, um dos melhores que li.

    Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir

Esse espaço também é seu!
Vou adorar saber a sua opinião passional :)
Seu comentário será publicado em no máximo 24 horas.
Beijos!