[Resenha] O Labirinto no Fim do Mundo

O Labirinto no Fim do Mundo - Marcello Simoni

O Labirinto no Fim do Mundo - Marcello Simoni
Sinopse - Editora Jangada - 2015 - 392 páginas


Este é o terceiro livro do autor italiano Marcello Simoni, que tem como protagonista o mercador de livros Ignazio de Toledo, um típico “Indiana Jones” da Idade Média. A obra nos transporta à uma imersão em inúmeros mistérios, segredos seculares, ritos bizarros, conhecimentos perdidos, mas é principalmente a habilidade do autor em entrelaçar aventura e suspense em reviravoltas de tirar o folego, que nos faz devorar a leitura.

Ambientada na Europa Medieval, a trama nos conduz a uma “caçada” de Paris à Palermo, e somos literalmente envoltos em misteriosos assassinatos ligados a uma relíquia que pode nos conduzir ao mestre de um antigo culto ancestral e pagão, imaginem isso sob a forte pressão religiosa da época, e ainda tendo como antagonista “o investigador dos desvios heréticos” do papa Gregório IX: Konrad von Marburg, considerado um dos primeiros e mais fanáticos inquisidores da história.

“Porque, de fato, Konrad era uma fera. Tinha o olhar dos predadores noturnos e as mandibulas dos animais carnívoros. Ainda assim Marburg disfarçava sua agressividade com manipulações verbais tão sutis quanto traiçoeiras. Cada palavra que proferia era uma armadilha; cada gesto que esboçava, um entremostrar de garras. Desse modo, acuava suas vítimas antes de cravar as presas no pescoço delas.”

Diante do gigantismo de Konrad, que abre o prólogo e já mostra ao que veio [brrrrrr!], seus perseguidos “hereges” não deixam nada a desejar: Suger de Petit-Pont, o ganancioso médico francês, com o qual ficamos a par de como a medicina era perseguida pela igreja sobretudo na França; Michele Scoto, o alquimista, astrólogo e ocultista escocês; Ignazio de Toledo, mercador de relíquias e grande conhecedor das ciências herméticas. Assim, de igual para igual, os espadachins usarão suas mentes afiadas em um jogo mortal.

O ritmo é frenético, a narrativa fluente, esclarecedora e dinâmica, as descrições evocam o clima perfeito, seja na descrição dos lugares, cultura, vestiário, mobilidade, etc... mas “a cereja do bolo” é a ênfase à religiosidade da época, no que tange ao seu efeito psicológico até sobre os homens mais versados [cultos] diante do terror das fogueiras... e mesmo assim, a necromancia corria solta hahaha! A magia, como veremos no decorrer do livro, sempre foi a paixão oculta de médicos, ocultistas e alquimistas, mas sobretudo do clero.

Como o conteúdo medieval concentra-se na maior parte das vezes em uma temática mais patriarcal, logo intuitivamente mais direcionada ao público masculino, talvez isso tenha influenciado o autor quanto ao desenvolvimento das personagens femininas: Ermelina [a mais arrojadinha], Adelísia, Brunhilde e a curandeira Aquanegra, que limitam-se ao esteriótipo feminino da época, e apenas como personagens secundárias sem grandes atuações.

Trata-se de uma jornada em busca do desconhecido, de segredos arcanos e poder, deste modo algumas “chaves” vem de brinde com a leitura já que o autor copila e cita personagens, dados históricos e arqueológicos [vide adendo], entrelaçando-os a sua envolvente e imaginativa trama repleta de mistério, suspense, aventuras e desventuras até que finalmente Ignazio se defronta com o maior e mais cobiçado enigma das escolas de mistério: O labirinto no fim do mundo.

Excelente leitura!

Livros do autor publicados pela Jangada:



O Mercador de Livros Malditos
A Biblioteca Perdida do Alquimista
O Labirinto no Fim do Mundo

Essa leitura foi uma cortesia do Grupo Pensamento.
Aguardamos seus comentários! Beijos...

11 comentários

  1. Hello, Rosem. Eu não gostei apenas de uma coisa neste livro, o seu título. Após, os 2 primeiros livros lançados seguirem com uma mesma linha, voltada para a literatura em seus títulos, o terceiro veio com uma proposta de O Labirinto. Não gostei. Mas, o importante, a história, me interessou. Gostei da época medieval europeia, da medicina da época, do poder que a religião possui e, o melhor, os assassinatos que ocorrem durante a narração da história. Me interessei bastante.

    ResponderExcluir
  2. um livro que traz tantos aprendizados e faz esse percurso histórico só pode ser bom!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Bom, não conhecia esse livro, mas confesso que não me interessei muito, pois não é meu estilo de leitura, mas mesmo assim, sua resenha está muito boa, no momento não pretendo ler esse livro, mas quem sabe futuramente eu resolva ler.

    ResponderExcluir
  4. Oi, Elis
    Eu fiquei bem curiosa para ler este livro quando vi o lançamento, mas achei que não dava para ler fora da ordem. Ou dá?
    Adoro livros com ritmo frenético, para fugir um pouco da rotina, e também meio medieval. Adorei saber sua opinião.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hey Letícia!

      A Rosem leu apenas esse livro (sem ter lido os anteriores) e teve uma experiência plena de leitura, sem problemas ;)

      Bjs!

      Excluir
  5. Oi!!!
    Amei muito a resenha, me lembrou os livros de Dan Brown que sempre nos guiam por muitos mistérios. As capas também são lindas!!!
    Vou procurar ler. Linkei sua resenha na minha link party
    Beijos!!!
    Quer Falar de Livros?

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Parece mesmo super interessante esse livro!
    Cheio de mistérios, e até aventuras pelo jeito!
    Ainda não li nenhum livro desse autor, mas fiquei bem curiosa para ler esse!

    Um super bjo!

    Alê - Bordados e Crochê
    Fã Page
    Twitter
    Instagram

    ResponderExcluir
  7. Oi
    Eu tenho o O Mercador de Livros Malditos e ele que é muito bom.
    Eu já tinha visto esse outro livro dele, mas estava na dúvida se comprava ou não, mas gostei da sua resenha e vou colocar o livro na minha lista de desejados.
    Beijinhos
    Renata
    Escuta Essa

    ResponderExcluir
  8. Tenho gostado mto dos livros da Jangada e nao conhecia esse O Labirinto no Fim do Mundo.
    A capa ja chama a atençao e lendo a resenha fiquei interessada.
    Lendo os dizeres da capa me lembrei do Codigo da Vinci que eu amooooo.
    Gostei mto de como apresentou o livro e foi bom ter ressaltado que o ritmo é frenético, a narrativa fluente, esclarecedora e dinâmica, pq isso que nos deixa viciados e envolvidos com tudo, nao largando por nada o livro.
    Me deixa interessada que p ambiente seja medieval, adoro esse tema.
    Fiquei bem interessada em conhecer todos.
    Beijos

    https://fuxixiu.wordpress.com/
    https://meumundinhoficticio.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Oi Elis! Estou doida pra começa a ler essa série, curto muito mistério e suspense e essa resenha me deixou ainda mais curiosa em conferi as histórias do mercador de livros Ignazio de Toledo.
    Bjs

    ResponderExcluir

Esse espaço também é seu!
Vou adorar saber a sua opinião passional :)
Seu comentário será publicado em no máximo 24 horas.
Beijos!