[Resenha] O Menino no Alto da Montanha

O Menino no Alto da Montanha - John Boyne

O Menino no Alto da Montanha - John Boyne
Sinopse - Editora Seguinte - 2016 - 232 páginas


“O Menino no Alto da Montanha” é a primeira obra que leio de John Boyne, um autor cujos livros sempre tive curiosidade de conhecer. Esta história se passa antes, durante e depois da Segunda Guerra Mundial e mistura ficção e realidade num enredo simples, tocante e até mesmo triste. Personagens reais e imaginários têm seus caminhos cruzados e características ou acontecimentos da época entram na história contribuindo para deixá-la mais atrativa e interessante.

Pierrot Fischer é um pequeno garoto francês, vive com sua mãe e seu pai (alemão) e tem um melhor amigo judeu chamado Anshel, que adora escrever e é mudo. A vida de Pierrot começa a mudar quando seu pai vai embora de casa após agredir sua mãe, que mais tarde acaba falecendo com tuberculose. Pierrot vai morar um tempo com a mãe de Anshel, mas a estadia dura pouco e logo o garoto é enviado a um orfanato.

O orfanato em questão é administrado por duas irmãs que dão as boas vindas para Pierrot e o tratam bem, mas o garoto não se sente em casa e não se dá muito bem com algumas crianças do local. Pierrot logo descobre que a irmã de seu pai, a tia Beatrix, que nunca conhecera está viva e disposta a cuidar dele, ela é governanta de uma casa que fica no alto de uma montanha e Pierrot precisa viajar de trem até lá. O dono daquela casa não é nada mais, nada menos que Adolf Hitler.

Na casa, Pierrot é proibido de mandar cartas para Anshel (pelo fato do amigo ser judeu) e passa a ser chamado de Pieter, um nome que consideram mais “alemão”, além disso, recebe instruções de como se comportar e o que fazer. Todos na casa parecem viver desconfortáveis e acreditam que o mesmo ocorrerá a Pierrot, que por sua vez, possui uma relação bastante agradável com o Führer (Hitler). É claro que coisas ruins acontecem e Pierrot “pisa na bola” algumas vezes, mas no geral, os dois se dão bem e logo Pierrot entra para a Juventude Alemã

O livro é dividido em três partes: a primeira se passa em 1936, é uma espécie de pré-guerra, a segunda vai de 1937 a 1941 (o início da guerra) e a terceira acontece de 1942 a 1945, o fim da guerra.

O mais importante de se observar na leitura é o comportamento das pessoas em relação aos judeus, a maioria os tratava como se não merecessem viver, como se não fossem humanos. Como sabemos, a Segunda Guerra foi caracterizada pelo preconceito existente, tanto contra judeus, quanto contra comunistas, estrangeiros e homossexuais, dentre outros grupos. Por isso foi interessante, ainda que triste, o autor ter explorado esse comportamento social tão comum para a época, faz parte da história entender como as pessoas pensavam.

Pierrot conheceu muita gente durante sua jornada, na sua casa da França, no orfanato, no trem e na casa no alto da montanha. Apesar de todos os personagens da história terem suas peculiaridades e características marcantes, meus preferidos foram Anshel e Ernst, o chofer, principalmente Anshel (rolou uma leve identificação pelo fato dele amar escrever).

“O Menino No Alto da Montanha” é um livro que fala sobre inocência e transformação, como uma criança pode ser moldada a partir da criação que recebe e das coisas que ouve, como um jovem rapaz pode fazer coisas ruins sem se dar conta disso... É um livro triste, porém reflexivo, que te faz desaprovar algumas ações dos personagens, mas entender o porquê delas. No geral, tive uma ótima experiência com este livro e pretendo ler mais obras de John Boyne.

Essa leitura foi uma cortesia da Editora Seguinte.
Aguardamos seus comentários!
Beijos do alto da montanha...

15 comentários

  1. A capa lembra "O Garoto do pijama listrado", mas o motivo é óbvio.
    Me interessei pelo livro. Mesmo triste, gosto do tema.
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Não conhecia esse autor!
    E o livro apesar de triste é bem interessante!
    Eu particularmente, não gosto de ler livros sobre Guerra, pois eu fico super deprê...não entra na minha cabeça, como pode pessoas lutarem contra pessoas!
    Mas é necessário para que entendermos melhor e quem sabe, nunca mais acontecer a Guerra, pq infelizmente o preconceito está demais! Que triste!
    Boa a sua resenha!
    Um super bjo!

    Alê - Bordados e Crochê
    Facebook
    Twitter
    Instagram

    ResponderExcluir
  3. A capa também me lembrou O menino do pijama listrado, a história também pela resenha é no mesmo estilo, talvez mais triste. Não li livros deste autor, mas achei que o drama descrito na resenha parece muito interessante.
    ronida_sindi@hotmail.com

    ResponderExcluir
  4. O único livro do John Boyne que li foi "O menino do pijama listrado", aliás não consegui terminar, não gostei da escrita dele. Parece ser sempre a mesma coisa, o mesmo cenário e até a mesma capa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele usa a mesma "forma" para escrever os livros deles, mas os personagens são bem diferentes uns dos outros, assim como seus problemas pessoais, mesmo que o pano de fundo seja igual (a guerra), ele diversifica bastante seus enredos!
      Beijos... Samantha Culceag.

      Excluir
  5. Muito legal sua indicação, morro de vontade de ler esse, já li dois livros desse autor e adorei!

    Daily of Books

    ResponderExcluir
  6. eu gosto muito dos livros do John exatamente por conterem uma extensa pesquisa sobre a segunda guerra e sempre trazer algo novo para mim no quesito aprendizado
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. John Boyne sempre nos surpreende em suas histórias e deixa a gente fora de prumo e acredito que O menino no alto da montanha deve ser muito triste mesmo. O menino de pijama listrado me deixou em depressão e este então acredito que deve me levar pelo mesmo caminho.

    ResponderExcluir
  8. Só por ser o mesmo autor de O Menino do Pijama Listrado já tenho vontade de ler este livro. Sua resenha me deixou ainda mais curiosa, o enredo parece ser muito interessante e já estou imaginando o que acontece no decorrer do livro. Pretendo ler com certeza.

    Abraços :)

    ResponderExcluir
  9. Esse livro tem vários elementos que aprecio, como o fato de se passar no cenário da Segunda Guerra Mundial, o autor sempre cria histórias emocionantes e com finais que envolvam os sentimentos do leitor, alem da boa criação dos personagens, quero ler esse livro, mais uma obra do autor que mostra também os judeus

    ResponderExcluir
  10. Oi.
    Adoro livros que tenham como plano de fundo guerras, adorei essa capa,a premissa do livro me chamou bastante a atenção e fiquei bem curiosa para conferir.

    ResponderExcluir
  11. Gosto muito da escrita de John Boyne, quero muito ler esse livro, curto histórias com pano fundo a guerra, parece ser bem emocionante e essa resenha me deixou ainda mais curiosa em conferi essa história.

    ResponderExcluir
  12. Sam!
    Livros ambientados durante as guerras sempre me fascinam porque podemos aprender muito sobre uma época em que não vivenciamos.
    É uma lição de vida.
    “O que importa afinal, viver ou saber que se está vivendo?” (Clarice Lispector)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de agosto com 3 livros 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  13. Oi tudo bem..
    Nunca li nada do autor mas tenho lido que tanto O Menino do Pijama Listrado como O Menino no alto da montanha sao otimos e fiquei curiosa pra ler ambos,ainda mais por gostar de livros que tenham algo relacionado a guerra,otima resenha..
    Um abraço e muito sucesso :)

    ResponderExcluir
  14. Oi Samantha,
    amooooo os livros do Boyne, li Tormento, um conto lá, Fique onde está e então corra e O menino do pijama listrado que é um dos meus preferidos da vida!
    Adorei sua resenha, é a primeira que leio desse livro e fiquei encantadíssima!!
    Preciso dele e pra já!!!
    Parece ser bem emocionante e forte como o menino do pijama listrado.
    To curiosa demais!!
    bjss

    ResponderExcluir

Esse espaço também é seu!
Vou adorar saber a sua opinião passional :)
Seu comentário será publicado em no máximo 24 horas.
Beijos!