[Resenha] Histórias extraordinárias

Histórias extraordinárias - Edgar Allan Poe

Histórias extraordinárias - Edgar Allan Poe
Sinopse - Companhia da Letras - 2017 - 448 páginas


A nova edição ilustrada de “Histórias extraordinárias” de Edgar Allan Poe decerto vai arrebatar os amantes dos contos macabros de mistério, desde a belíssima capa roxa em relevo com o título filetado em dourado já somos fisgados. A Companhia das Letras mais uma vez presenteou-nos com um objeto de desejo.

Como se isso não bastasse, adivinhem, os contos são antecedidos por delicadas ilustrações temáticas e alguns deles precedidos por citações de autores que Poe teve como referência, logo penetramos na essência de sua narrativa como nunca antes. Sensacional este zelo.

Lhes confesso que Poe é um velho amigo, assim já havia lido praticamente todos esses contos, entretanto as citações nos lançam em uma nova perspectiva como se outros corredores fossem se formando no decorrer da leitura, a citação clarifica certos enigmas psicológicos tanto das personagens, quanto do espelhamento do autor. Perfeito.

José Paulo Paes selecionou e traduziu os contos, em sua apresentação nos conta um pouco da vida à margem que Poe levou, excluído por seus conterrâneos americanos em face de um moralismo estreito, nosso querido mestre do mistério teve uma vida atormentada pela pobreza e negação de sua obra. Só faria sucesso efetivamente um século após a sua morte. Seu subjetivismo afrontava a literatura vitoriana.

Então vamos aos 18 contos, em Ligeia, Berenice, O retrato ovalado, O caixão quadrangular e A queda da Casa de Usher um clima de mistério, amor platônico sufocante nos coloca face a face com as mulheres diáfanas de Poe: Belas, trágicas, impossíveis e fatais. O poço e o pêndulo, O coração delator, Sombra e a Máscara da Morte Rubra são intensos, profundos, brutais. Com uma ambientação poderosa e sem rodeios Poe nos coloca na cena, é como se nos injetasse o conto na veia.

O Barril de Amotillado e O gato preto nos remetem a formas alternativas de vingança, e para variar sátira e crítica social temperados com supra imaginação nos hilários Pequena palestra com uma múmia, O diabo no campanário e O sistema do doutor Alcatrão e do professor Pena. E para variar ainda mais William Wilson é um clássico conto sobre “o duplo”.   

O escaravelho de ouro e a carta roubada nos mergulham em misteriosos enigmas a decifrar, referência do que viria a ser o gênero policial. E por fim, O homem da multidão que Poe identifica como o gênio do crime profundo.

E finalmente como brinde extra, em anexo temos a análise da obra de Poe pelos autores Julio Cortázar, Jorge Luís Borges e Charles Baudelaire, um luxo.

Ler Poe é uma experiência única e indescritível.


Essa leitura foi uma cortesia da Companhia das Letras.
Aguardamos seus comentários! By.:.

6 comentários

  1. Olá! Nossa estou doida por essa nova edição ilustrada, amo contos e curto muito a escrita do Edgar Allan Poe, esse livro foi para o topo da lista de desejados.
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. ROSEM!
    Edgar Allan Poe causa mesmo esse sentimento de terror em seus leitores.
    Imagine 18 contos de pura abominação... ao final, estamos esgotados, tenebrosos e plenos de um sentimento que o terror está a espreita.
    Viva o mestre!
    Um maravilhoso final de semana!
    “Acredite que você pode, assim você já está no meio do caminho.” (Theodore Roosevelt)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA FEVEREIRO: 3 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  3. Oi, Rosem!
    Essa nova edição com ilustrações temáticas esta mesmo belíssima, mas apesar de gostar de contos não curto histórias macabras de mistério, por isso nunca li nada do Edgar Allan Poe... Contudo, para quem é fã do gênero e do autor Histórias extraordinárias com certeza é uma ótima dica, principalmente para esse último público por causa de alguns contos serem precedidos por citações de autores que Poe teve como referência... Abraços!

    ResponderExcluir
  4. nunca li nada do autor (não me mate), mas a premissa é intrigante
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Boa noite! Gostaria de saber a classificação?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Janaína!
      O livro pode ser lido por jovens e adultos, já em relação às crianças, o ideal seria que um adulto avaliasse cada conto e lesse para elas, explicando e conversando sobre o que for novidade para os pequenos. Beijos!

      Excluir

Esse espaço também é seu!
Vou adorar saber a sua opinião passional :)
Seu comentário será publicado em no máximo 24 horas.
Beijos!