[Resenha] Celular

Celular - Stephen King

Celular - Stephen King
Sinopse - Editora Suma - 2018 - 384 páginas


Mais uma vez King faz uso de sua regra mestra: transformar o aparentemente inofensivo cotidiano em um cenário de horror. É deste modo que em “Celular” nos vemos diante de um ataque bio terrorista indeterminado, mediado por celulares, que afeta o cérebro de milhares de usuários tornando-os insanamente selvagens.   

“- Por volta das três da tarde, uma organização terrorista, talvez até um governo de meia-tigela, gerou um tipo de sinal ou pulso. Por ora temos que supor que esse sinal foi transmitido por todas as operadoras de celular do mundo.”

Em Boston, Clay Riddell, um jovem escritor de HQs acaba de fechar seu primeiro grande contrato e acredita que sua sorte está mudando, é sob o ponto de vista de Clay que vemos a abrupta transformação do mundo em um sangrento e incompreensível apocalipse: Em uma bela tarde os humanos foram reduzidos a seus instintos básicos.

“… o mundo como ele havia sido antes era uma lembrança.”

Em sua fuga pela sobrevivência nas tumultuadas ruas de Boston, Clay encontra Tom e Alice que também não portavam celulares no momento do pulso, deste encontro surgem laços indestrutíveis. E esses três mosqueteiros estão prestes a vivenciar a maior aventura de suas vidas.

Sem eletricidade, as pessoas que resistiram ao ataque - os “Normies” - tentam sobreviver aos “fonáticos”, que atacam durante o dia reúnem-se em hordas a noite sob o som de música pop bem aos moldes caóticos de King, hahaha! Clay, Tom e Alice partem armados até os dentes rumo ao Maine, sempre à noite, na esperança de que a esposa de Clay e seu filho tenham sobrevivido ao “pulso” e ainda estejam vivos.

“... quando as estrelas aparecem é a nossa vez. Somos como vampiros. Fomos banidos para a noite. De perto nos reconhecemos... por conta das mochilas e das armas que cada vez mais de nós carregamos; porém, à distancia, a única garantia é a luz oscilante de uma lanterna. Há três dias dominávamos a Terra... Agora somos o Povo das Lanternas.”

Trata-se de uma jornada repleta de perigos, descobertas e aventura. As personagens são envolventes e esbanjam conhecimentos em suas reflexões sobre a natureza humana principalmente após unirem-se a Charles Ardai e Jordan, hábeis em reconhecimento de padrões, neste ponto temos uma reviravolta na trama porque as coisas esquentam pra valer, e surge o medonho antagonista: O esfarrapado.

“KASHWAK=SEM-FO”

Apesar da dedicatória de King para Richard Matheson e George Romero, a trama não se resume a  uma simples releitura de “zombies”, a violência primal é um reflexo para tratar de temas de semelhante complexidade como relacionamento, companheirismo, resiliência, perseverança e fé.

“POR FAVOR VENHA ME BUSCAR. Eu te amo de todo coração.”

A cada novo livro King deixa mais claro que ele não escreve sobre monstros, mas sobre pessoas.

E se a sua próxima ligação fosse… “reiniciando”?
King Forever!

Em comemoração ao Aniversário de 7 anos do Arquivo Passional,
a Editora Suma liberou um exemplar do livro para sorteio!!!
Clique abaixo e participe:
Essa leitura foi uma cortesia do Grupo Companhia das Letras.
Aguardamos seus comentários! By.:.

10 comentários

  1. Eu acredito que só um Mestre das Letras como King, poderia fazer uso de um tema tão comum e corriqueiro nos dias de hoje e ainda com isso, criar todo um cenário de suspense e sim, horror ou terror!
    Tenho namorado este trabalho do autor já tem um tempinho e não vejo a hora de poder conferir mais este presente.
    Me pergunto se já não somos "zumbis" com toda esta tecnologia :/
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Oi! A cada resenha que leio do mestre, meu amor só aumenta! King não é apenas terror, ele se aventura por outros gêneros e nos consegue manter presos do mesmo jeito, pinta e borda com nossa imaginação, nos levando a grandes questões e reflexões. Adoro quando um autor cria uma história e através dela faz críticas aos hábitos reais das pessoas. Celular tem uma premissa tentadora e esse cenário pós-apocalíptico é algo que adoro.

    Bjoxx

    ResponderExcluir
  3. Olá,
    Não é atoa que o chamam de mestre...
    Sabe o que mais me atrai na história, o fato de ser algo que ao mesmo tempo é impossível, ser possível. Afinal, já somos controlados pelos nossos aparelhos, o que King fez, foi só transformar isso em algo mais aterrorizante, o que convenhamos, ele consegue.
    O enredo está divino, percebo que a escrita dele mudou um pouco, e é como disse, ele escreve sobre pessoas, principalmente sobre os monstros que existem dentro delas.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Rosem!
    Mesmo quano o protagonista é dos melhores, King sabe criar um enredo que sai da mesmice e traz uma visão totalmente nova para temas que parecem estar saturados.
    Zumbis estão em profusão nos livros, porém King sempre inova e da uma releitura toda própria, transformando em terror cheio de conjecturas.
    Adorei!
    Desejo um ótimo final de semana!
    “Para cada minuto que você se aborrece você perde sessenta segundos de felicidade.” (Ralph Waldo Emerson)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA NOVEMBRO - 5 GANHADORES – BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  5. Eu vi o filme inspirado nesse livro. Ele é bem louco haha.
    Gosto dessa proposta de ser afetado drasticamente pelo uso do celular.
    Como o final do filme não é tão direto, quero muito ler o livro pra saber como o King o conta.

    Abração!
    www.gatoqueflutua.com.br

    ResponderExcluir
  6. Eu não li esse livro ainda mas assisti ao filme. O filme pelo menos, é completamente louco. Pelo o que voce descreveu tem algumas coisas diferentes mas em resumo acaba do mesmo jeito.
    Quero ler logo esse livro do mestre King.

    ResponderExcluir
  7. Apesar de zumbis não fazerem meu estilo, gostei da questão do celular afinal, estamos todos viciados e quem nunca ficou igual a um zumbi por não conseguir largar o celular. Deve ser uma excelente crítica (imagino).

    ResponderExcluir
  8. Gosto da essência dos livros do stephen king. Não imaginei o autor escrevendo algo envolvendo zumbis mas gostei da analogia que ele faz com as pessoas viciadas em celular.

    ResponderExcluir
  9. Eu adoro Stephen King, um dos meus autores favoritos, inclusive minha leitura atual é dele, Revival ♥
    Eu concordo com o que vc disse, o terror dos livros dele está mais ligado ao ser humano do que aos próprios seres malignos...rsrs

    ResponderExcluir
  10. Olá! Quando vejo o nome Stephen King, já fico interessada antes mesmo de ler a sinopse, o homem é um mestre, essa resenha me deixou ainda mais curiosa em conferi essa história, foi pra lista de desejado.
    Bjs

    ResponderExcluir

Esse espaço também é seu!
Vou adorar saber a sua opinião passional :)
Seu comentário será publicado em no máximo 24 horas.
Beijos!