Sorteio "Os números do Amor" (Helen Hoang)


Olá Amigos Passionais! O Arquivo Passional está comemorando 7 anos de existência e, em parceria com a Editora Paralela, traz o sorteio do livro "Os números do Amor", de Helen Hoang, um romance super sexy e fofo ao mesmo tempo! Confiram a resenha da Elis AQUI e participem:

Regulamento
1) Ter um endereço de entrega no Brasil, deixar um comentário nessa postagem e preencher corretamente o formulário Rafflecopter.

Chances Extras
Seguir o Arquivo Passional no GFC
Comentar na Resenha de "Os números do Amor"
Comentar nas Postagens de Agosto a Novembro de 2018
Curtir o Arquivo Passional e a Editora Paralela no Facebook
Seguir o Arquivo Passional e a Editora Paralela no Twitter
Adicionar no Google+  | Compartilhar a Promoção | Twittar a frase promocional

Inscrições até 30/11/18 * Resultado até 05/12/18

O vencedor será avisado por e-mail e terá 72 horas para retornar o contato. O prêmio será enviado pela EDITORA PARALELA em até 60 dias. Será responsabilidade do ganhador fornecer seu endereço corretamente e assegurar-se de que haja alguém em casa para receber a encomenda. Não nos responsabilizamos por danos, demora ou extravios durante o transporte. Esta atividade é de caráter exclusivamente cultural e a participação é voluntária e gratuita. Ao se inscrever, o participante declara concordar com as regras aqui descritas.

Boa sorte e beijos!

[Resenha] Os números do Amor

 Os números do Amor - Helen Hoang

Os números do Amor - Helen Hoang
Sinopse - Editora Paralela - 2018 - 280 páginas


Stella tem trinta anos, é super inteligente e bem sucedida profissionalmente. Já no âmbito pessoal, possui uma grande dificuldade em se relacionar com as outras pessoas. Ela é sincera demais, totalmente sem filtro e tem resistência a ser tocada. Com a mãe pressionando para que a filha “arranje alguém”, e após um conselho babaca de um colega de trabalho, Stella resolve contratar um acompanhante profissional que lhe ensine a namorar e se “destravar” para o sexo.

Michael é um cara dedicado à família e ajuda a mãe a tocar uma lavanderia, que também faz consertos de roupas. Seu sonho é ser estilista e pôr em prática todo o seu talento para a moda. Mas às sextas-feiras Michael trabalha como acompanhante, emprego que lhe garante o pagamento de dívidas familiares. Normalmente suas clientes são mulheres mais maduras, por isso jamais poderia imaginar que sua próxima cliente seria uma mulher tão jovem, linda e doce quanto Stella.

Inicialmente, Michael não entende porque Stella o contratou, porém logo percebe a dificuldade que a moça tem em lidar com os toques físicos mais básicos, como um abraço ou um beijo. Quando Stella lhe propõe um acordo longo e exclusivo, o impulso inicial de Michael é negar, pois sabe que sair com a mesma cliente diversas vezes pode ser encrenca. Só que ele não consegue deixar de ajudar Stella a tentar descobrir o prazer que uma relação sexual pode proporcionar a um casal. Três encontros são acordados, e a partir daí podemos imaginar como esses dois ficarão enrolados...

“Os Números do amor” é uma história quente, e ao mesmo tempo bastante sensível. Stella possui Síndrome de Asperger, um Transtorno de Espectro Autista, e para ela viver novas experiências, sair da rotina, tocar e ser tocada são verdadeiros desafios. No começo, Michael não sabe sobre a condição de Stella, mas ele é um cara tão paciente, carinhoso e calmo, que acaba lidando muito bem com as dificuldades dela.

As cenas do casal acabam sendo de total descoberta, tanto para ele quanto para ela, cheias de carinho e tesão, que não é aliviado logo de cara, afinal o caminho de Stella para o prazer precisa ser percorrido lentamente. É difícil encontrar um livro com conteúdo adulto que seja tão sexy e fofo ao mesmo tempo, tive essa sensação durante toda a leitura.

Vocês devem estar se perguntado o que os “números” do título do livro têm a ver com a história. Lembram que eu disse lá no começo da resenha que a Stella é ótima no trabalho? Ela é uma econometrista (profissional formada em econometria que utiliza a estatística aplicada e análise de dados para interpretar ou pressupor questões econômicas). Stella é uma especialista em algoritimos de previsão de consumo, eu adorei conhecer essa profissão, e até meio que “pirei” nela!

Outra coisa que curti na leitura, foi que os personagens me pareceram bem verdadeiros, principalmente Stella, e isso com certeza se deve ao fato da própria autora ter sido diagnosticada com Síndrome de Asperger, ou seja, através de sua protagonista, Helen Hoang nos apresenta uma maneira específica de pensar e agir, nos dando um vislumbre de como seria esse universo particular. A família de Michael também é um fator importante no enredo, acompanhar o “entrosamento” da Stella com eles foi super legal. Adorei e recomendo!

Em comemoração ao Aniversário de 7 anos do Arquivo Passional,
Editora Paralela liberou um exemplar do livro para sorteio!!!
Clique abaixo e participe:

 Sorteio "Os números do Amor" (Helen Hoang)
Sorteio "Os números do Amor" (Helen Hoang)

Essa leitura foi uma cortesia do Grupo Companhia das Letras
Aguardamos seus comentários! Beijos...

Sorteio "Celular" (Stephen King)


Olá Amigos Passionais! O Arquivo Passional está comemorando 7 anos de existência e, em parceria com a Editora Suma, traz o sorteio do livro "Celular", de Stephen King, uma jornada repleta de perigos, descobertas e aventura! Confiram a resenha da Rosem AQUI e participem:

Regulamento
1) Ter um endereço de entrega no Brasil, deixar um comentário nessa postagem e preencher corretamente o formulário Rafflecopter.

Chances Extras
Seguir o Arquivo Passional no GFC
Comentar na Resenha de "Celular"
Comentar nas Postagens de Agosto a Novembro de 2018
Curtir o Arquivo Passional e a Editora Suma no Facebook
Seguir o Arquivo Passional e a Editora Suma no Twitter
Adicionar no Google+  | Compartilhar a Promoção | Twittar a frase promocional

Inscrições até 30/11/18 * Resultado até 05/12/18

O vencedor será avisado por e-mail e terá 72 horas para retornar o contato. O prêmio será enviado pela EDITORA SUMA em até 60 dias. Será responsabilidade do ganhador fornecer seu endereço corretamente e assegurar-se de que haja alguém em casa para receber a encomenda. Não nos responsabilizamos por danos, demora ou extravios durante o transporte. Esta atividade é de caráter exclusivamente cultural e a participação é voluntária e gratuita. Ao se inscrever, o participante declara concordar com as regras aqui descritas.

Boa sorte e beijos!

[Resenha] Celular

Celular - Stephen King

Celular - Stephen King
Sinopse - Editora Suma - 2018 - 384 páginas


Mais uma vez King faz uso de sua regra mestra: transformar o aparentemente inofensivo cotidiano em um cenário de horror. É deste modo que em “Celular” nos vemos diante de um ataque bio terrorista indeterminado, mediado por celulares, que afeta o cérebro de milhares de usuários tornando-os insanamente selvagens.   

“- Por volta das três da tarde, uma organização terrorista, talvez até um governo de meia-tigela, gerou um tipo de sinal ou pulso. Por ora temos que supor que esse sinal foi transmitido por todas as operadoras de celular do mundo.”

Em Boston, Clay Riddell, um jovem escritor de HQs acaba de fechar seu primeiro grande contrato e acredita que sua sorte está mudando, é sob o ponto de vista de Clay que vemos a abrupta transformação do mundo em um sangrento e incompreensível apocalipse: Em uma bela tarde os humanos foram reduzidos a seus instintos básicos.

“… o mundo como ele havia sido antes era uma lembrança.”

Em sua fuga pela sobrevivência nas tumultuadas ruas de Boston, Clay encontra Tom e Alice que também não portavam celulares no momento do pulso, deste encontro surgem laços indestrutíveis. E esses três mosqueteiros estão prestes a vivenciar a maior aventura de suas vidas.

Sem eletricidade, as pessoas que resistiram ao ataque - os “Normies” - tentam sobreviver aos “fonáticos”, que atacam durante o dia reúnem-se em hordas a noite sob o som de música pop bem aos moldes caóticos de King, hahaha! Clay, Tom e Alice partem armados até os dentes rumo ao Maine, sempre à noite, na esperança de que a esposa de Clay e seu filho tenham sobrevivido ao “pulso” e ainda estejam vivos.

“... quando as estrelas aparecem é a nossa vez. Somos como vampiros. Fomos banidos para a noite. De perto nos reconhecemos... por conta das mochilas e das armas que cada vez mais de nós carregamos; porém, à distancia, a única garantia é a luz oscilante de uma lanterna. Há três dias dominávamos a Terra... Agora somos o Povo das Lanternas.”

Trata-se de uma jornada repleta de perigos, descobertas e aventura. As personagens são envolventes e esbanjam conhecimentos em suas reflexões sobre a natureza humana principalmente após unirem-se a Charles Ardai e Jordan, hábeis em reconhecimento de padrões, neste ponto temos uma reviravolta na trama porque as coisas esquentam pra valer, e surge o medonho antagonista: O esfarrapado.

“KASHWAK=SEM-FO”

Apesar da dedicatória de King para Richard Matheson e George Romero, a trama não se resume a  uma simples releitura de “zombies”, a violência primal é um reflexo para tratar de temas de semelhante complexidade como relacionamento, companheirismo, resiliência, perseverança e fé.

“POR FAVOR VENHA ME BUSCAR. Eu te amo de todo coração.”

A cada novo livro King deixa mais claro que ele não escreve sobre monstros, mas sobre pessoas.

E se a sua próxima ligação fosse… “reiniciando”?
King Forever!

Em comemoração ao Aniversário de 7 anos do Arquivo Passional,
a Editora Suma liberou um exemplar do livro para sorteio!!!
Clique abaixo e participe:
Essa leitura foi uma cortesia do Grupo Companhia das Letras.
Aguardamos seus comentários! By.:.

Vitrine Grupo Companhia das Letras * Outubro

Olá Amigos Passionais!!!
Confiram os destaques do mês do Grupo Companhia das Letras:

A pequena caixa de Gwendy, de Stephen King e Richard Chizmar
A pequena caixa de Gwendy, de Stephen King e Richard Chizmar - A pequena cidade de Castle Rock testemunhou alguns eventos estranhos ao longo dos anos, mas existe uma história que nunca foi contada... até agora. Viaje de volta a Castle Rock nesta história eletrizante de Stephen King, o mestre do terror, e Richard Chizmar, autor premiado de A Long December. O universo misterioso e assustador dessa pacata cidadezinha do Maine já foi cenário de outros clássicos de King, como Cujo e A zona morta, e deu origem à série de TV da Hulu.
Há três caminhos para subir até Castle View a partir da cidade de Castle Rock: pela rodovia 117, pela Estrada Pleasant e pela Escada Suicida. Em todos os dias do verão de 1974, Gwendy Peterson, de doze anos, vai pela escada, que fica presa por parafusos de ferro fortes (ainda que enferrujados pelo tempo) e sobe em ziguezague pela encosta do penhasco.  Certo dia, um estranho a chama do alto: “Ei, garota. Vem aqui um pouco. A gente precisa conversar, você e eu”. Em um banco na sombra, perto do caminho de cascalho que leva da escada até o Parque Recreativo de Castle View, há um homem de calça jeans preta, casaco preto e uma camisa branca desabotoada no alto. Na cabeça tem um chapeuzinho preto arrumado. Vai chegar um dia em que Gwendy terá pesadelos com isso. SUMA

O homem de areia, de Lars Kepler
O homem de areia, de Lars Kepler - Best-seller mundial, O homem de areia conta a história de um serial killer inteligente e manipulador e de dois policiais que precisarão vencer os próprios limites para pegá-lo. Em uma noite extremamente fria em Estocolmo, um homem aparece sozinho e desnorteado em uma ponte. Quando ele é encontrado, a hipotermia já toma conta de seu corpo. Ao ser levado para um hospital, descobre-se que há sete anos ele foi declarado morto. Seu assassinato foi creditado ao serial killer Jurek Walter, que foi preso há alguns anos pelo detetive Joona Linna e sentenciado a prisão perpétua em uma ala psiquiátrica. Enquanto investiga o aparecimento desse homem e tenta entender onde ele esteve durante os últimos sete anos, evidências desconhecidas começam a aparecer e influenciar o caso que já estava arquivado. Com capítulos curtos e ritmo alucinante, O homem de areia é um thriller envolvente sobre os limites da maldade. ALFAGUARA

Espere agora pelo ano passado, de Philip K. Dick
Espere agora pelo ano passado, de Philip K. Dick - Uma obra brilhante de um dos maiores nomes da ficção científica. Inédito no Brasil, este livro de Philip K. Dick chega às livrarias em edição especial com capa dura e projeto gráfico arrojado. O dr. Eric Sweetscent está em apuros. Seu planeta está enredado em uma guerra intergaláctica; sua esposa é letalmente viciada em uma poderosa droga com efeitos colaterais estranhos; e seu novo paciente não é apenas o homem mais importante da Terra, como talvez o mais doente. Em meio a uma crise interplanetária, onde nada é exatamente o que parece, Eric se torna o médico pessoal do secretário-geral Gino Molinari, que transformou suas misteriosas doenças em um instrumento político — e Eric já não sabe se seu trabalho é curá-lo ou apenas mantê-lo vivo. Navegando entre o impossível e o inevitável, Philip K. Dick nos apresenta um futuro onde a realidade é uma superfície terrivelmente tênue, multifacetada — e faz com que o leitor repense tudo o que sabe sobre o tempo. SUMA

O reino de Zália, de Luly Trigo
O reino de Zália, de Luly Trigo - No primeiro livro de fantasia de Luly Trigo, uma princesa se vê obrigada a assumir o governo do país em meio a revoltas populares, intrigas políticas, conflitos familiares e romances arrebatadores. Por ser a segunda filha, a princesa Zália sempre esteve afastada dos conflitos da monarquia de Galdino, um arquipélago tropical. Desde pequena ela estuda em um colégio interno, onde conheceu seus três melhores amigos, e sonha em seguir sua paixão pela fotografia. Tudo muda quando Victor, o príncipe herdeiro, sofre um atentado. Zália retorna ao palácio e, antes que possa superar a perda do irmão, precisa assumir o posto de regente e dar continuidade ao governo do pai. Porém, quanto mais se aproxima do povo, mais ela começa a questionar as decisões do rei e a dar ouvidos à Resistência, um grupo que lidera revoltas por todo o país. Para complicar a situação, Zália está com o coração dividido: ela ainda nutre sentimentos por um amor do passado, mas começa a se abrir para um novo romance. Agora, comprometida com um cargo que nunca desejou, Zália terá de descobrir em quem pode confiar — e que tipo de rainha quer se tornar. SEGUINTE

Juntos somos eternos, de Jeff Zentner
Juntos somos eternos, de Jeff Zentner - Jeff Zentner, autor de Dias de despedida, traz outra história comovente sobre família, amizade e amor, com uma visão emocionante e ao mesmo tempo bem-humorada sobre a dura realidade de crescer em um ambiente conservador. Dill não é um garoto popular na escola — e não é culpa dele. Depois de seu pai se envolver em um escândalo, o garoto se tornou alvo de piadas dos colegas e passou a ser evitado pela maioria das pessoas na cidadezinha onde mora. Felizmente, ele pode contar com seus melhores amigos, Travis e Lydia, que se sentem tão excluídos ali quanto ele. Assim que os três começam o último ano do ensino médio, mudar de vida parece um sonho cada vez mais distante para Dill. Enquanto Travis está feliz em continuar no interior e Lydia pretende fazer faculdade em uma cidade grande, Dill carrega o peso das dívidas que seu pai deixou para trás. Só que o futuro nem sempre segue nossos planos — e a vida de Dill, Travis e Lydia está prestes a mudar para sempre.  SEGUINTE

Glória, de Victor Heringer
Glória, de Victor Heringer - A crônica de uma família no Rio de Janeiro que compartilha o humor particular e o desgosto genético. Glória conta a história dos Alencar Costa e Oliveira, uma “família de doentes imaginários”. Eles se comunicam com chistes, tiradas, diálogos zombeteiros. Falam o oposto do que querem dizer ou repetem as mesmas frases até que passem a ter outro sentido. Neste caso, o bordão oficial da casa quando algo dá errado — a comida queima no forno, os filhos não param quietos — é “Deus é, era, gago”. Serve, como se vê, para quase todas as situações. Além do humor idiossincrático, os Alencar Costa e Oliveira têm outra característica em comum. Ninguém da linhagem morre de doença ou de acidente. A melancolia aguda, fatalidade que se repete de geração em geração, é a maldição que paira sobre o sobrenome. Esta talvez seja a única tradição da família: a causa do óbito, invariavelmente, é o desgosto. Com erudição, graça e inventividade, Victor Heringer traça o destino de três irmãos — Daniel, Abel e Benjamin —, misturando referências literárias e notas de rodapé improváveis. Neste livro nonsense e engenhoso, o estilo à la Machado de Assis se funde ao cotidiano carioca do século XXI, quando as formigas invadem o bairro da Glória e os personagens frequentam uma sala de bate-papo virtual em que a palavra de ordem é a ironia.  COMPANHIA DAS LETRAS

As últimas testemunhas, de Svetlana Aleksiévitch
As últimas testemunhas, de Svetlana Aleksiévitch -Neste livro doloroso e potente, a Nobel de literatura Svetlana Aleksiévitch reuniu os relatos francos de vários sobreviventes da Segunda Guerra que, quando crianças, testemunharam horrores que nenhum ser humano jamais deveria experimentar. A Segunda Guerra Mundial matou quase 13 milhões de crianças e, em 1945, apenas na Bielorrússia, havia cerca de 27 mil delas em orfanatos, resultado da devastação tremenda causada pelo conflito no país. Entre 1978 e 2004, a jornalista Svetlana Aleksiévitch entrevistou uma centena desses sobreviventes e, a partir de seus testemunhos, criou uma narrativa estupenda e brutal de uma das maiores tragédias da história. A leitura dessas memórias não é nada além de devastadora. Diante da experiência dessas crianças se revela uma dimensão pavorosa do que é viver num tempo de terror constante, cercado de morte, fome, desamparo, frio e todo tipo de sofrimento. E o que resta da infância em uma realidade em que nada é poupado aos pequenos? Neste retrato pessoal e inédito sobre essas jovens testemunhas, a autora realizou uma obra-prima literária a partir das próprias vozes de seus protagonistas, que emprestaram suas palavras para construir uma história oral da Segunda Guerra. COMPANHIA DAS LETRAS

Dentro da noite veloz, de Ferreira Gullar
Dentro da noite veloz, de Ferreira Gullar - Lançado em 1975, este volume de poemas de Ferreira Gullar é marcado pela intensa carga política. Ao aliar excepcional qualidade literária e aguda preocupação com as questões sociais, Dentro da noite veloz é um livro altamente engajado. Em poemas célebres como “Não há vagas” e “Homem comum”, Ferreira Gullar, em tom questionador e inquieto, denuncia a realidade cruel e desigual do país.  No prefácio a esta edição, Armando Freitas Filho aponta: “É isso que este livro imenso nos mostra: a vida, a aventura, o perigo do universo que nos convida para a peripécia existencial de cada um de nós. Ninguém melhor que Ferreira Gullar para nos fazer viver e morrer, com sua experiência humana e destemida que passa dentro dessa noite feroz e veloz, sempre a postos para uma nova e — se necessário for — combativa manhã”. COMPANHIA DAS LETRAS

Como num filme (prequel da série Recomeços), de Lauren Layne
Como num filme (prequel da série Recomeços), de Lauren Layne - As regras são claras... até o momento em que são quebradas. Neste livro da série Recomeços, conheça a história de Ethan. As únicas coisas que o mauricinho Ethan e a rebelde Stephanie têm em comum são o curso de cinema na Universidade de Nova York e o roteiro que precisam desenvolver juntos. Mas, quando a proposta de recriar clássicos de Hollywood se confunde com a realidade, eles acabam se tornando os protagonistas de uma história de amor digna de Oscar! Ela quer um quarto confortável em uma boa casa. Ele quer ficar longe de sua ex. Eles precisam de uma boa nota. Convencidos a ajudar um ao outro, os dois entram em um acordo: Stephanie será a namorada de mentirinha de Ethan enquanto ele a deixa morar em seu apartamento. Para isso, ela deverá fingir ser uma perfeita lady: discreta, arrumadinha e, claro, completamente apaixonada… igualzinha à personagem do filme que estão criando. Contudo, à medida que os dois se aproximam, Ethan se vê completamente apaixonado pela garota cheia de mistérios e contradições ao seu lado. Agora, ele vai ter que decidir: será que seus sentimentos são pela Stephanie de verdade? Ou apenas pela versão que ele criou? CONTEÚDO ADULTO - PARALELA

A revolução dos bichos, de George Orwell e Odyr
A revolução dos bichos, de George Orwell e Odyr - A obra-prima de George Orwell adaptada para os quadrinhos. Clássico moderno, A revolução dos bichos ganha vida e movimento no traço do gaúcho Odyr. Ao narrar a insurreição dos animais de uma granja contra seus donos, a obra mostra como o conflito os leva a uma tirania ainda mais opressiva que a dos humanos. Odyr passou os últimos anos envolvido numa empreitada desafiadora: transformar em quadrinhos um dos maiores clássicos da literatura mundial, A revolução dos bichos. Em tinta acrílica, fazendo com que cada página se tornasse uma verdadeira obra de arte, Odyr deu forma à narrativa de George Orwell — e a personagens antológicos como os porcos Napoleão e Bola-de-Neve. Escrita em plena Segunda Guerra Mundial e publicada em 1945, essa breve narrativa causou desconforto ao satirizar ferozmente a ditadura stalinista numa época em que os soviéticos ainda eram aliados do Ocidente na luta contra o eixo nazifascista. Mas não só. Mais de sessenta anos depois, A revolução dos bichos se tornou uma alegoria universal sobre as fraquezas humanas que levam à corrosão de grandes ideias e projetos de revolução política.  QUADRINHOS NA CIA

Dublinenses, de James Joyce
Dublinenses, de James Joyce - Obra mais acessível do autor de Ulysses ganha versão brasileira com tradução primorosa de Caetano W. Galindo. Quinze contos que apresentam a obra de um dos maiores autores ocidentais. Uma das coletâneas de contos mais conhecida da língua inglesa, Dublinenses faz um retrato vívido e inclemente sobre a “boa e velha Dublin” do começo do século XX. Essas quinze histórias, incluindo “Arábias”, “Graça” e “Os mortos”, mergulham no coração da cidade natal de James Joyce, capturando não só a cadência da fala, mas também o realismo quase brutal dos sentimentos de seus habitantes. A edição ainda inclui a história “O velho vigia”, escrita por Berkeley Campbell, que serviu de mote para que Joyce escrevesse o conto “As irmãs”, que abre a coletânea. Publicado pela primeira vez em 1914, este livro decifra a vida da classe média católica da Irlanda, mas também lida com temas universais como decepções, frustrações e o despertar sexual. Joyce tinha 25 anos quando escreveu estes contos, considerados por muitos tanto um experimento literário quanto a obra mais acessível do autor. PENGUIN-COMPANHIA

Curtiram? Comentem! Beijos...