[Resenha] Homo Deus

Homo Deus: uma breve história do amanhã - Yuval Noah Harari

Homo Deus: uma breve história do amanhã - Yuval Noah Harari
Sinopse - Companhia da Letras - 2016 - 448 páginas


Se você já se fez alguma vez a clássica pergunta “Quem somos e para onde vamos?”, pode encontrar revelações surpreendentes em Homo Deus. O autor Yuval Noah Harari após o arrebatador sucesso de “Sapiens” continua seu brilhante relato da história da humanidade desde a modernidade, apontando os desafios do mundo contemporâneo e possíveis cenários futuros.

“Pela primeira vez na história, hoje morrem mais pessoas que comeram demais do que de menos, mais pessoas morrem de velhice do que de doenças infecciosas; e mais pessoas cometem suicídio do que todas as que, somadas, são mortas por soldados, terroristas e criminosos.”

Assim de acordo com Harari, a humanidade já sabe como fazer para vencer a fome, aliás, como ele diz, hoje o problema a vencer é a obesidade; as pestes foram vencidas pelos avanços científicos da medicina e saneamento básico; e a guerra se reduziu a conflitos territoriais manipulados pelas grandes potências com intuito geopolítico. Portanto a nova agenda humana deve voltar-se ao imenso poder que a biotecnologia e a tecnologia da informação nos oferecem no século XXI.

“O que vamos fazer com esse poder?”

E aí senta que lá vem história, Harari é um contador de histórias excelente, sua fluência e habilidade para ligar fatos históricos, estatísticas matemáticas e científicas nos remete a um cenário alquímico da realidade, onde as novas metas da humanidade são a felicidade, a imortalidade e a divindade.

Graças aos avanços da medicina o homem tem alcançado maior longevidade, e a biotecnologia promete ainda mais na busca da imortalidade; no mesmo sentido a felicidade de acordo com novas pesquisas se mostra mais um fator bioquímico do que de realização social, emocional ou econômica; E quando a divindade, aos poucos a humanidade foi se deixando envolver, mesmo inconscientemente, por novos mitos vinculados a tecnologia – O seriado “Deuses Americanos” é um eloquente exemplo desse fenômeno, fica a dica.

“À medida que as ficções humanas são traduzidas em códigos genéticos e eletrônicos, a realidade intersubjetiva vai engolir a realidade objetiva e a biologia vai se fundir com a história. Portanto no século XXI a ficção se tornará a força mais poderosa na Terra, superando os asteroides e a seleção natural.”

Dividido em três partes, mergulhamos em revelações corroboradas por recentes avanços científicos e pesquisa de ponta, temos assim: Parte I – O Homo Sapiens conquista o mundo; Parte II: O Homo Sapiens dá um significado ao mundo; Parte III – O Homo Sapiens perde o controle.
     
Homo Deus é uma leitura para “mentes abertas”, a abordagem sobre ciência x religião pode ser desafiadora para os que ainda não dominam os conceitos consciencionais da religiosidade, pois Harari mergulha fundo em fatos que por muito tempo foram e ainda são omitidos, e a verdade pode ser indigesta, no entanto eis uma oportunidade de ver com novos olhos e refletir sobre as três questões-chave que ele nos propõe:  

“1.Será que os organismos são apenas algoritmos, e a vida apenas processamento de dados?
2.O que é mais valioso – a inteligência ou a consciência?
3.O que vai acontecer à sociedade, aos políticos e à vida cotidiana quando algoritmos não conscientes mas altamente inteligentes nos conhecerem melhor do que nós nos conhecemos?”

Preparados para descobrir onde nosso atual condicionamento poderá nos levar? Eis o livro: Homo Deus.

Extraordinário.

Essa leitura foi uma cortesia da Companhia das Letras.
Aguardamos seus comentários! By.:.

[Resenha] Mais lindo que a lua

Mais lindo que a lua - Julia Quinn

Mais lindo que a lua - Julia Quinn
Duologia Irmãs Lyndon - Livro 01
Sinopse - Editora Arqueiro - 2018 - 272 páginas


 “Mais lindo que a lua” nos apresenta uma doce história de amor à primeira vista, entre o filho de um duque e a filha de um vigário, que por causa de um mal entendido gerado pela intromissão de pais cautelosos e insensíveis, terminou tão repentinamente quanto começou, azedando os sonhos de um jovem casal que acreditou que a força de seu amor seria suficiente para vencer todos os obstáculos sociais que os separavam, mas que se deixou abater à primeira dificuldade.

Isso tudo aconteceu em 1809, quando Victoria Lyndon tinha dezessete anos, e Robert Kemble, o conde Macclesfield, vinte e quatro. Sete anos se passaram desde que seus destinos se desencontraram, agora Victoria é preceptora de um garoto de cinco anos na casa de lady Hollingwood, enquanto Robert é o convidado de honra durante um evento social na mesma casa. É somente por força dessas circunstâncias, que Victoria e Robert se reencontram e são obrigados a passar alguns dias no mesmo território. Porém, o ressentimento que possuem um pelo outro é tão forte quando a necessidade súbita de se abraçar, se beijar e recuperar o tempo perdido. 

Apesar dos sentimentos contraditórios dentro de si, Robert tentará com todas as forças reconquistar Victoria, pois tem certeza que ainda a ama. Já Victoria é como um “gato escaldado” e tornará extremamente difícil para o conde vencer essa empreitada, mesmo que seu coração clame por Robert, ela não quer abrir mão de sua independência e livre arbítrio, conquistados a duras penas ao longo dos últimos sete anos. Além de muito amor, serão necessárias doses elevadas de paciência e perdão para que Robert e Victoria possam ter a chance de alcançar novamente a felicidade.

“No fundo de seu coração, Victoria sabia que Robert tinha o poder de fazê-la feliz além de seus maiores sonhos. Mas também tinha o poder de destruir seu coração. E ele já havia feito isso uma vez... Não, duas vezes.
E ela não aguentava mais sentir dor.”

Algumas pessoas dizem que o amor à primeira vista é algo improvável, praticamente impossível, existente somente nas histórias criadas por mentes românticas... Já meu coraçãozinho romântico amou a primeira parte da história ao testemunhar a maneira linda e súbita como Robert e Victoria se apaixonaram e viveram sua primeira experiência de amor. Me encantei com o casal e sofri pela injustiça da sua separação.

Mas eu acredito que perdoar quem nos magoou e dar uma segunda chance ao amor, isso sim é algo difícil de realizar. E minha personalidade escorpiana se identificou totalmente com a Victoria de sete anos depois, com sua dificuldade em perdoar o Robert e, mesmo depois de perdoá-lo, a incapacidade de confiar novamente seu coração. Mesmo assim, não pude deixar de me compadecer do Robert, tão esforçado e determinado... Enquanto meu instinto vingativo ria internamente dele, por outro lado eu torcia para que seus esforços não fossem em vão.

Para mim essa foi uma leitura bem intensa, o cabo de guerra emocional e sensual entre Robert e Victoria me deixou totalmente conectada ao que estava acontecendo entre os dois. Sem mencionar que Robert é muito charmoso, paciente e dono de um ótimo senso de humor, acho que a Victoria não tinha como resistir para sempre rsrsrs... 

Vale ressaltar que esse é um dos primeiros livros escritos por Julia Quinn, publicado originalmente em 1997, portanto não é tão elaborado quanto os da Série Os Bridgertons, por exemplo. Além disso, a maneira como concebemos os relacionamentos amorosos mudou bastante nos últimos vinte anos, dessa forma, a “paciência” e a “persistência” de Robert na tentativa de reconquistar Victoria pode ser interpretada atualmente como assédio ou perseguição, dependendo do(a) leitor(a). Esse não foi o meu caso, como disse anteriormente, gostei bastante do Robert. Sou fã confessa da autora e amo todas as suas histórias, porque elas sempre aquecem meu coração e alegram o meu dia. Recomendo de paixão!

Duologia Irmãs Lyndon


2. Mais brilhante que o sol  (em breve)


Essa leitura foi uma cortesia da Editora Arqueiro
Aguardamos seus comentários! Beijos...

Vitrine Grupo Companhia das Letras * Fevereiro

Olá Amigos Passionais!!!
Confiram os destaques do mês do Grupo Companhia das Letras:

Interferências, de Connie Willis
Interferências, de Connie Willis - Combinando humor e romance, Connie Willis, ícone da ficção científica, traz um livro envolvente sobre os perigos da tecnologia, do excesso nas redes sociais e... do amor. Em um futuro não muito distante, um simples procedimento cirúrgico é capaz de aumentar a empatia entre os casais, e ele está cada vez mais na moda.

Por isso, Briddey Flannigan fica contente quando seu namorado, Trent, sugere que eles façam a cirurgia antes de se casarem — a ideia é que eles desfrutem de uma conexão emocional ainda maior, e que o relacionamento fique ainda mais completo. Bem, essa é a ideia.

Mas as coisas acabam não acontecendo como o planejado: Briddey acaba se conectando com outra pessoa, totalmente inesperada. Conforme a situação vai saindo do controle, Briddey percebe que nem sempre muita informação é o melhor, e que o amor — e a comunicação — são bem mais complicados do que ela esperava. EDITORA SUMA

O destino de Tearling, de Erika Johansen
O destino de Tearling, de Erika Johansen - No último livro da trilogia que cativou fãs por todo o mundo, Erika Johansen oferece aos leitores todas as respostas para os mistérios que permearam A rainha de Tearling e A invasão de Tearling, em uma conclusão explosiva e surpreendente. Desde que assumiu o trono de Tearling, Kelsea Glynn passou de princesa inexperiente a rainha destemida. Sua busca por justiça fez com que todo o reino mudasse com ela, mas quando os inimigos que fez ao longo do caminho ameaçam destruir seu povo, ela toma uma decisão inimaginável: se rende à Rainha Vermelha em troca de salvar Tearling. Sem as safiras, sem seus homens de confiança e trancafiada em Mortmesne, Kelsea precisa de novo recorrer ao passado, às experiências de mulheres que viveram antes dela, buscando em suas histórias a saída para uma situação impossível. O jogo está para terminar, e o futuro de Tearling será revelado de uma vez por todas. EDITORA SUMA

Cartas secretas jamais enviadas, de Emily Trunko
Cartas secretas jamais enviadas, de Emily Trunko  - Uma coletânea de cartas que reúne segredos, confissões, alegrias e dores que nunca chegaram a seus destinatários. Você já desejou poder voltar no tempo e dar conselhos para si mesmo? Já quis ter coragem de falar como é forte o amor que sente por alguém? Alguma vez já se perguntou por que uma pessoa importante na sua vida parou de falar com você? A partir de contribuições anônimas, Emily Trunko reuniu nesta coletânea cartas que revelam segredos profundos de quem as escreveu. Afinal, muitas vezes o único jeito de lidar com nossos sentimentos mais intensos — seja um amor incondicional ou uma perda irreparável — é botando tudo no papel. A leitura destas cartas nos permite mergulhar na vida de seus remetentes e, ao mesmo tempo, redescobrir nossa própria história e perceber que, mesmo nos piores momentos, não estamos sozinhos. EDITORA SEGUINTE

O clube dos oito, de Daniel Handler
O clube dos oito, de Daniel Handler - Em seu primeiro romance, Daniel Handler nos apresenta Flannery, uma garota que tem algo muito importante para contar: a história de como se tornou uma assassina. Como um grupo de jovens estudantes bem-educados acabou se envolvendo num escândalo que chocou um país? Por que tantos especialistas em comportamento juvenil têm algo a dizer quando o assunto é o Clube dos Oito? Até quando inúmeras manchetes de jornal e programas de TV sensacionalistas vão explorar o caso nos mínimos detalhes? Para fazer com que a verdade venha à tona, Flannery Culp, a dita líder do Clube, decide tornar público o diário que manteve ao longo do seu desastroso último ano de ensino médio. Agora que está presa por cometer um assassinato, a garota tem tempo de editar o que escreveu e revisitar a rotina que levava ao lado de seus sete melhores amigos. A narrativa de Flan, permeada de professores da pior índole, um amor não correspondido, aulas complicadas e jantares pomposos, comprova que ela pode até ser uma adolescente criminosa — mas, pelo menos, é uma adolescente criminosa muito inteligente. EDITORA SEGUINTE

Depois da queda, de Dennis Lehane
Depois da queda, de Dennis Lehane - Um casamento tóxico. Uma rede de mentiras. Neste romance de suspense magistral, é difícil saber em quem podemos confiar. Depois de ter um colapso mental ao vivo, durante uma transmissão de TV, Rachel Child, antes uma jornalista obstinada e que desbravava o mundo, passa a viver totalmente reclusa. Fora isso, porém, ela leva uma vida ideal, com um marido que parece ideal. Até que, numa tarde chuvosa, um encontro fortuito abala profundamente aquela vida perfeita, assim como seu casamento e ela mesma. Sugada por uma conspiração cheia de decepções, violência e loucura, Rachel precisa encontrar forças nela mesma para superar medos inimagináveis e verdades transformadoras. Emocionante, sofisticado, romântico e cheio de suspense e tensões, Depois da queda é Dennis Lehane em sua melhor forma. COMPANHIA DAS LETRAS

Léxico familiar, de Natalia Ginzburg
Léxico familiar, de Natalia Ginzburg - A história de uma família e a memória de tempos difíceis através da prosa da maior escritora italiana do século XX. “Neste livro, lugares, fatos e pessoas são reais. Não inventei nada”, escreve Natalia Ginzburg sobre sua obra mais célebre, Léxico familiar, de 1963. Nos anos 1930, como consequência da criação de leis raciais na Europa, inúmeras famílias foram obrigadas a deixar seu lar, tornando-se apátridas ou sendo literalmente destroçadas pela guerra que se seguiu. É nesse cenário que se inscrevem as memórias de Ginzburg. Nelas, o vocabulário afetivo de um clã de judeus antifascistas se contrapõe a um mundo sombrio, atravessado pelo autoritarismo. Trata-se de uma história de resistência, narrada em tom menor, e, sobretudo, da gênese de uma das escritoras mais poderosas do nosso tempo. COMPANHIA DAS LETRAS

Floresta escura, Nicole Krauss -
Floresta escura, de Nicole Krauss - Um romance belo e original sobre transformação pessoal que entrelaça as histórias de dois indivíduos — uma escritora e um advogado — que não aparentam ter muito em comum. Jules Epstein desapareceu, não deixando nada além de um apartamento simplório e uma pasta com seu monograma abandonada no deserto de Israel. Sua família perplexa sabe apenas que ele foi aos poucos de desvencilhando dos laços, da advocacia e dos bens que levara toda uma vida para conquistar. Com o pouco que restou de seu patrimônio e um plano nebuloso, ele parte para o hotel Hilton de Tel Aviv. Enquanto isso, Nicole, uma romancista nova-iorquina como Epstein, deixa o marido e os filhos no Brooklyn e faz check-in no mesmo hotel, esperando que a vista da piscina em que ela costumava nadar na infância cure seu bloqueio criativo. Mas quando um suposto professor aposentado de literatura a recruta para um projeto sobre Kafka, ela se vê envolta num mistério que irá transformá-la de modo nunca antes imaginado. Pleno de vida e humor, este é um romance profundo sobre metamorfose e realização pessoal — sobre dois personagens que procuram seu eu verdadeiro a uma distância enorme de suas vidas comuns. COMPANHIA DAS LETRAS

A última dama, de Elizabeth Fremantle
A última dama, de Elizabeth Fremantle - Musa celebrada por poetas. Dama de confiança da rainha. Adúltera. Inimiga do Estado. Quem é a verdadeira Penelope? Penelope Devereux, filha de um dos maiores inimigos da coroa inglesa, chega à corte sem saber os perigos que a esperam. Ainda assim, ela e seu charmoso irmão, o conde de Essex, logo caem nas graças da rainha Elizabeth I, aprendendo muito rápido a navegar o mar de intrigas que os cercam. Insatisfeita em seu casamento e apaixonada por outro homem, Penelope arrisca sua reputação em nome da própria felicidade, ao mesmo tempo que precisa formar alianças para garantir a segurança de seu irmão e de sua família sem despertar suspeitas na corte. Apesar da influência de Essex crescer, seus inimigos também se tornam mais fortes, exigindo que a jovem Devereux use todo o seu conhecimento político para prevenir um desastre. Contado pelas perspectivas de Penelope e de Cecil, o pior inimigo de seu irmão, esta é uma história de amor, ódio e ciúmes que se desenrola ao longo das últimas décadas do reinado de Elizabeth I. EDITORA PARALELA 

Despertar, de Nina Lane
Despertar, de Nina Lane - Uma série sexy e apaixonante que vai mexer com suas emoções mais profundas. Um casamento baseado no amor, no desejo e na confiança. Um segredo guardado com a melhor das intenções. Um relacionamento — intenso e imperfeito — colocado à prova. Dean West é o grande amor e o porto seguro da vida de Olivia. Um marido dedicado, um parceiro intenso e, acima de tudo, um homem completamente apaixonado por sua mulher. Conhecedor dos segredos mais obscuros da esposa, Dean a possui por completo — hoje, amanhã e sempre. Mas o casamento aparentemente perfeito dos dois é abalado quando Olivia descobre uma faceta até então desconhecida do passado do marido. Será que a força dos sentimentos que eles têm um pelo outro será capaz de prevalecer sobre a dor da decepção? EDITORA PARALELA 

Curtiram? Comentem! Beijos...

[Resenha + Vasculhando] A Gruta Gorgônea

A Gruta Gorgônea - Lemony Snicket

A Gruta Gorgônea - Lemony Snicket
Desventuras em Série - Livro 11
Sinopse - Editora Seguinte - 2005 - 288 páginas


“A Gruta Gorgônea” foi o livro mais louco de “Desventuras em Série” até agora, dessa vez tivemos uma aventura aquática com direito a fungos super perigosos que crescem debaixo do mar, submarinos em formato de polvo e crianças escravizadas pelo malvado vilão Conde Olaf, que possui cada vez mais aliados.

Se unindo a antigos voluntários da organização C.S.C., os irmãos Baudelaire precisam encontrar um misterioso açucareiro antes do Conde Olaf, os jovens não sabem para o que serve, pois o capitão Andarré do submarino Queequeg que os está “ajudando” se recusou a contar, a única coisa que sabem é que o açucareiro é de extrema importância para a organização a qual os pais dos órfãos pertenciam.

Um grande diferencial desse livro foram as repetitivas, mas breves narrações que “Lemony Snicket” fez sobre o ciclo da água, assunto que o autor/personagem considera enfadonho, com o objetivo de fazer o leitor cochilar de tédio para não conseguir ler os terríveis acontecimentos haha, mas é tão engraçado que só me fez querer ler mais e mais para descobrir o que o autor queria tanto esconder.

Confesso que esse livro não trouxe tantas novidades à série, foi somente um obstáculo no caminho, houveram algumas partes que foram especialmente irritantes (culpa da Carmelita, pior personagem), mas gostei do volume mesmo assim, aprecio muito os irmãos Baudelaire e essa série que deixa tão curiosa que ignoro todas as partes negativas (que não são muitas) e continuo a ler!

Desventuras em Série


12. O Penúltimo Perigo
13. O Fim

Vasculhando em quotes


Vasculhando em quotes se trata de vasculhar um livro e separar quotes relativos a alguns assuntos (sem spoilers), para dar a vocês uma noção do clima da história através dos detalhes - aparentemente superficiais - que fazem toda a diferença no contexto geral.

Culinária


“As pessoas não são vis nem nobres. (...) Elas são como as saladas do chefe, com coisas boas e ruins misturadas num molho vinagrete de confusão e conflito.”

“Sunny (...) trabalhava com Phil sobre um grande caldeirão de sopa, cozinhando batatas e catando espinhas no bacalhau.”

“Para esta noite, a única sobremesa que temos é chiclete.”

“Sunny ainda era um pouco jovem demais para carregar comida quente sozinha, mas tinha encontrado um moedor de pimenta, e deu a volta na mesa para oferecer pimenta moída na hora para quem quisesse.”

“O bolo era todo glaçado, com pedaços de coco misturados na cobertura espessa e cremosa (...)”

Transporte


“O segundo submarino tinha a forma de um polvo gigante, com uma enorme cúpula de metal no lugar da cabeça e duas grandes vigias em vez de olhos. Um polvo de verdade, é claro, tem oito tentáculos, mas aquele submarino tinha muito mais.”

Moda


“Vocês jovens estão muito elegantes com esses capacetes.”

“Em volta de sua cintura, largo e cheio de babados, havia um tutu (...), e na cabeça ela trazia uma enorme coroa cor-de-rosa (...) Tinha duas asas rosadas grudadas nas costas com fita adesiva (...) e sapatos em vários tons de rosa (...) que faziam um desagradável ruído chapinhante quando ela andava.”

“(...) a vilanesca namorada confeccionara um vestido-polvo, com dois grandes olhos de plástico, seis mangas extras e ventosas espalhadas pelas botas (...).”

Cenário


“(...) parecia que o mundo se transformara em um mundo muito, muito escuro. Até onde a vista podia alcançar, havia redemoinhos cinzentos e pretos movendo-se como estranhas enguias na água sombria.”

“Poderiam ter notado o mosaico no chão da gruta – milhares e milhares de ladrilhos coloridos, retratando nobres eventos da história remota de uma organização secreta (...)”

“No topo do aclive de areia, os jovens percorreram com os olhos aquela sala pequena, mal iluminada, com paredes lisas de ladrilhos que pareciam úmidos e escorregadios, e um chão de areia coberto com uma variedade de pequenos objetos (...)”

Essa leitura foi uma cortesia da Editora Seguinte.
Aguardamos seus comentários! Beijos...

Sorteio "Um beijo à meia-noite"

Olá Amigos Passionais! Em parceria com a Editora Arqueiro, o Arquivo Passional traz pra vocês o primeiro sorteio de 2018, cujo prêmio será um romance muito lindo, que me encantou e entrou pra minha lista de favoritos: "Um beijo à meia-noite", da queridíssima Eloisa James! Participem:


Regulamento

1) Ter um endereço de entrega no Brasil, deixar um comentário nessa postagem e preencher corretamente o formulário Rafflecopter.

Após essa entrada obrigatória, todas as CHANCES EXTRAS serão disponibilizadas:

Seguir o Arquivo Passional no GFC
Comentar nas Postagens de janeiro e fevereiro de 2018
Curtir o Arquivo Passional e a Editora Arqueiro no Facebook
Seguir o Arquivo Passional e a Editora Arqueiro no Twitter
Adicionar no Google+  | Compartilhar a Promoção | Twittar a frase promocional

Inscrições até 28/02/18 * Resultado até 05/03/18

O vencedor será avisado por e-mail e terá 72 horas para retornar o contato. O prêmio será enviado pela EDITORA ARQUEIRO em até 60 dias. Será responsabilidade do ganhador fornecer seu endereço corretamente e assegurar-se de que haja alguém em casa para receber a encomenda. Não nos responsabilizamos por danos, demora ou extravios durante o transporte. Esta atividade é de caráter exclusivamente cultural e a participação é voluntária e gratuita. Ao se inscrever, o participante declara concordar com as regras aqui descritas.

Boa sorte e beijos...